TAP. Pessoal de cabine em mínimos deixa passageiros sem refeições

Pico de tráfego volta a trazer o fantasma dos "serviços mínimos de segurança" à TAP. Isto é: os aviões seguem com menos tripulantes e, com isso, o chefe de cabine pode decidir não prestar o serviço de bordo, as refeições e vendas

Informações
Esta notícia foi lida 2220 vezes
Partilhe

Pagar um bilhete de avião com refeição incluída não é, afinal, sinónimo de... refeição garantida. A situação tem-se repetido ao longo das últimas semanas com vários passageiros da companhia aérea.

No Portal da Queixa já se registaram mais de 110 reclamações dirigidas à entidade TAP. Uma das reclamações relativas a este caso foi feita por parte do consumidor Nuno Pereira o qual afirma que "ao embarcarmos no voo somos informados que o avião está com serviços mínimos pelo que não seriam fornecidas quaisquer refeições (nem água)".

Em causa está uma batalha antiga que tem por base o acordo de empresa entre a companhia aérea e os tripulantes de bordo, e que diz que, sempre que um avião segue com menos tripulantes do que o previsto, o chefe de cabine pode decidir não fazer o habitual serviço de bordo, decretando um "mínimo de segurança". Isto é: o voo segue, mas sem refeições nem vendas, independentemente do número de horas que a viagem possa durar.

"Se o chefe de cabine assim o entender nem os copos de água são entregues, assegurou um passageiro frequente ao DN/Dinheiro Vivo. "E isto é verdade para todas as classes, mesmo para a classe executiva, onde o passageiro paga uma tarifa mais elevada e que deveria dar direito a um serviço diferenciado."

Esta situação tem vindo a repetir-se de forma intermitente ao longo dos últimos anos e constitui uma espécie de braço-de-ferro entre a transportadora aérea e o sindicato nacional do pessoal de voo da aviação civil. O SNPVAC tem alertado por diversas vezes para a necessidade de a empresa assegurar que tem disponível o número de tripulantes necessários, conseguindo garantir os tempos de descanso devidos para o calendário de viagens.

Mas em alturas de pico de tráfego, com reforços de rotas e mais passageiros, esta desdobragem de equipas nem sempre é tarefa fácil. Acabam, por isso, quando seguem com menos do que um tripulante por cada 50 passageiros - numa aeronave com 200 lugares são o chefe de cabine e outros quatro elementos -, limitar o serviço ao mínimo, alegando que a segurança do voo é prioritária face aos demais serviços de bordo. Esta decisão está sempre na mão do chefe de cabine, que tem também autoridade para decidir que as refeições podem ser servidas mesmo que os tripulantes operem em mínimos. Não foi possível obter uma reação do SNPVAC até ao fecho desta edição.

A TAP está ao corrente da situação, longe de ser inédita neste verão, e admite que já está a reforçar equipas para que estes casos deixem de se verificar. "Existem casos de falta de serviço em alguns voos, que estamos a tentar colmatar com a entrada de novos tripulantes, já em curso e outros que ainda falta", confirmou a companhia aérea ao DN/Dinheiro Vivo.

"Somos informados já dentro do avião que o voo não vai ter serviço de bordo e que lamentam a situação, mas é difícil contornar essa falta de refeição quando já estamos prontos para descolar. E podemos falar de voos de mais de duas horas", adiantou o mesmo passageiro frequente.

Apesar das muitas queixas de passageiros, ao que foi possível apurar, a escassez de serviço de bordo e consequente falta de refeições está longe do pico frenético de 2013 ou mesmo do ano passado. Há quatro anos, a empresa chegou a oferecer vouchers de refeição antes dos voos, upgrades de milhas para clientes frequentes e até compensações monetárias, consoante o tipo de serviço que o passageiro provava ter contratado e que não era realizado. Seja como for, as queixas multiplicam--se, especialmente através dos canais online.

 

Fonte: Diário de Notícias


Comentários