ANTRAL

Ranking na categoria

Categoria
Táxi e Veículos Ligeiros

Telefone: 21 844 40 50

Morada
Av. Eng Arantes e Oliveira, N 15
1900-221 Lisboa

E-mail
antral@antral.pt

Website
http://www.antral.pt

Recomenda esta marca?

8
19

Partilhar esta página

ANTRAL - Funcionária rude e incapaz

Em tratamento
28884119
273
0 gostos
Renata Martins apresentou a reclamação

Estava nas caves do vinho do Porto, chamei um táxi para 5 pessoas. Não havia, sugeriram dois táxis. Tudo bem, óptimo. Perguntaram se ia para o Porto, disse que sim. Tudo bem, óptimo. Liguei quatro vezes para verificar onde estavam os táxis e disseram-me que estavam a chegar. Demoraram tanto tempo que liguei para cancelar. Não me deixaram cancelar porque o táxi estava supostamente a chegar. Quando chegou, tarde e fazendo com que eu chegasse atrasada ao trabalho, vinha já com 7,5€ no taxímetro, e mais ainda no segundo carro. Liguei à central para esclarecer esta situação e fui atendida pela Rosário, este génio da idade moderna, que não só acha que tem toda a razão, como faz um atendimento extremamente rude ao telefone, diz que a culpa é minha que não sei como funciona um táxi (não tenho de saber, quem trabalha na central é a Rosário e não eu) e desliga o telefone. Já sei que não vai haver compensação alguma pelo dinheiro ridículo que gastei para ir do cais de Gaia até Rua de Santa Catarina, mas quero a morada para realizar uma reclamação formal, e sugiro que formem melhor os vossos 'profissionais'.

10 Jun2019
ANTRAL adicionou uma resposta

Boa tarde,

As associações patronais não têm qualquer poder sancionatório sobre os motoristas de táxi.
A entidade sancionatória é o IMT (Instituto da Mobilidade e dos Transportes), com sede na Avenida das Forças Armadas, 40, 1649-022 Lisboa, ( imt@imt-ip.pt ).
Assim, qualquer reclamação deverá ser feita, junto desta entidade.
Como deve calcular, num universo de mais de 16.000 motoristas de táxi, ocorrem, por vezes, situações passíveis de reclamação, que não podemos deixar de muito lamentar.
Infelizmente, porém, a intervenção das associações limita-se, praticamente, a uma actuação pedagógica que exercemos quer junto dos empregadores quer junto dos motoristas, por forma a prevenir a ocorrência de situações como esta. As associações patronais não têm qualquer poder sanciontário sobre os motoristas, limitando-se, assim, a nossa intervenção a uma actuação pedagógica.
A Antral sempre tem pugnado por um serviço de qualidade que assente numa boa formação aos motoristas e também aos empresários, mas sabemos que sem uma fiscalização eficaz e a punição das infracções cometidas, se cria um clima de impunidade que dificulta a prossecução daquele objectivo.
E nesse sentido temos vindo a pressionar não só o IMT como também a PSP e a GNR, com vista a ser intensificada a fiscalização, de modo a contribuir para prevenir a repetição de situaçãoes que dão azo às reclamações e acabar com o clima de impunidade que permite, cada vez mais, comportamentos lesivos dos interesses dos passageiros.
Por outro lado, entendemos que não podemos, nem devemos, generalizar o comportamento de um agente para toda a classe, para todo um grupo.
É raro o dia em que não somos confrontados com comportamentos menos próprios de médicos que lesam em milhões de euros o SNS, de agentes da GNR e da PSP, de advogados, de banqueiros, contabilistas, etc.,etc., e estes factos não nos permitem generalizar estes comportamentos a toda a classe.
Em mais de 16.000 motoristas de táxi, a esmagadora maioria exerce a sua actividade profissional sem dar azo ao mínimo reparo.
Recordamos que, na área metropolitana de Lisboa, estão licenciados cerca de 4.500 táxis que transportam diariamente mais de 150.000 passageiros, ou seja à volta de quatro milhões e meio /mês e 54 milhões/ano.
Por último, permito-me salientar que, segundo os últimos dados do Portal da Queixa, as reclamações dos serviços prestados pelas plataformas ultrapassam em muito as reclamações apresentadas por serviços de táxi.
Apresento os melhores cumprimentos.
José Domingos
Director

11 Jun2019
Renata Martins adicionou uma resposta

A minha reclamação não é direccionada ao motorista do táxi, mas sim à operadora da central, uma funcionária de nome Rosário, nome esse que foi editado pelo portal da queixa. Foi a funcionária que foi rude e mal educada e que me desligou o telefone na cara quando lhe pedi que me explicasse porque é que o taxi chegou ao local com 7,50€ no taxímetro. Já tinha ligado várias vezes, inclusive tinha pedido para cancelar o serviço por causa do atraso, e a funcionária disse que não seria possível porque estavam a chegar. A vossa resposta foi, como não podia de ser, um copiar e colar das muitas respostas que têm dado, e mostra que não leu nem valorizou a minha queixa. Não cabe a si mencionar os comentários de serviços prestados pelas plataformas; eu utilizo o serviço de táxis tradicionais pelo menos uma vez por semana (se houver um registo telefónico dos pedidos vocês podem comprovar isso mesmo), sempre optei pelos táxis tradicionais em detrimento das aplicações, e no último mês surgiram tantas situações impensáveis, atrasos sem aviso nem justificação, cancelamentos do táxi por parte da central, atendimento absurdo... Estas questões levaram-me a ceder e a começar a utilizar a aplicação mais popular de transporte, e posso informar que não só há mais segurança no pagamento e no comportamento dos motoristas, devido à avaliação pública de cada motorista, como a própria plataforma faz a gestão dos veículos, alerta o passageiro em caso de atraso, substitui o carro se o atraso passar dos cinco minutos, fornece a identificação do motorista e matrícula do veículo de antemão e, acima de tudo, não cobra valores exorbitantes por estar parado no trânsito. Leiam por favor novamente a minha queixa. Se for para responder, respondam ao que lhes pedi. Obrigada.

Renata Martins está a aguardar resolução da marca

Comentários (1)

'.Ver perfil de Renata Martins.'

Renata Martins Autor

Sim Ana, sem dúvida que eu acordei com vontade de ser roubada e por isso, por lazer chamei um táxi! Obrigada pelo input precioso.