Centro Nacional de Pensões

Segurança Social

Centro Nacional de Pensões

Centro Nacional de Pensões

Categoria
Serviços Sociais e de Previdência

Sobre

Canal não oficial da Segurança Social.
Para um contacto direto use o portal Segurança Social Direta


Telefone: 300502502

Morada
Rua de Entrecampos, 57 r/c e cave
1700-157, Lisboa

Website
http://www4.seg-social.pt/pensoes

Recomenda esta marca?

108
77

Partilhar esta página

Esta é a sua empresa? Clique aqui

Centro Nacional de Pensões - Corte indevido do pagamento da pensão de sobrevivência

Aguarda resposta
28749919
148
0 gostos
Flávia Oliveira apresentou a reclamação

Desde o mês de Março que foi cortada indevidamente a pensão de sobrevivência, alegando que eu não entreguei o certificado de matrícula, ora o mesmo foi entregue por mim na segurança social de Gondomar no dia 13/11/2018 do qual segue em anexo o comprovativo, no dia 8 de Março efetuei um pedido de regularização da pensão uma vez que o erro foi vosso, em Abril dia 8/04 fiz uma chamada para a segurança social no qual me foi dito que o comprovativo de matricula se encontrava ai e que iam pedir a regularização da mesma, em Maio dia 8/05 voltei a recorrer ao atendimento telefónico da segurança social e a mesma coisa me foi dita que o papel realmente estava aí e foi feito novo pedido de regularização, dia 4/06 volto a ligar para a minha de atendimento da segurança social e a minha pensão continua caducada mas o papel de comprovativo de matricula esta na vossa posse, enquanto estamos nesta espera tenho valores de propinas em atraso e multas a somar por não os conseguir regularizar.
Nova chamada para o serviço de atendimento - 11/06 - ainda caducada.

Esta reclamação tem um anexo privado
11 Jun2019
Flávia Oliveira editou a reclamação
Flávia Oliveira está a aguardar resolução da marca

Comentários (4)

Ver perfil de Armando José Menino da Silva

Armando José Menino da Silva

O argumento recorrente de que os estudantes beneficiários de pensões de sobrevivência não entregaram os certificados de matrícula para lhes cortarem a pensões quando isso é falso em tantos casos é mais uma prova de que o estado trata os cidadãos abaixo de cão. Sendo tratados desta maneira só nos resta a possibilidade de votar nulo ou de nos abastermos nas eleições.

Ver perfil de Miguel Silva

Miguel Silva

Cara Flávia Oliveira, aconteceu-me exatamente o mesmo, os documentos sumiram assim do nada e também ando desde Março a pressionar para que me reponham a pensão. Já entreguei 2ª e 3ª vias dos documentos (comprovativo de matrícula e respectivo comprovativo), em Abril e Maio. Este mês tenho atendimento marcado e procederei novamente à entrega dos documentos e serei o mais chato possível para que entendam que com o povo não se brinca. Eu tenho direito à pensão até ao verão de 2020 e já ponho em causa se adianta continuar a estudar na esperança de que um dia me voltem a pagar o que devem com os retroactivos ou se vou ter de ir trabalhar mais cedo... :(

Mantenha-me a par da sua situação, se for possível :)

Com os melhores cumprimentos

Ver perfil de Flávia Oliveira

Flávia Oliveira Autor

Caro Miguel, infelizmente pelo o que eu tenho observado aqui está muita gente nesta situação, alegam que muitos de nós não entregaram os comprovativos, nao entendo como é que demoram tanto tempo a corrigir um erro que foi deles, imagino se alguém cometer um erro no ordenados deles que a demora nao deverá ser assim tão grande, enquanto isso nós é que temos de ter as propinas em atrasos.

Ver perfil de Armando José Menino da Silva

Armando José Menino da Silva

Cara Flávia, não acredito que os cortes das pensões de sobrevivência dos estudantes por alegada falta de entrega de documentos seja um erro da SS. São demasiados erros todos iguais e por isso sistematizados como se pode ver neste portal. A meu ver isto só pode ser uma estratégia para "resetear" o sistema, forçar os estudantes a procurarem emprego e, em qualquer caso, atrasar meses ou anos a concessão das pensões até que desista uma boa parte dos requerentes.
O mínimo que se pode dizer é que não é séria a forma como o governo está a gerir a conceção das prestações sociais.