Hard Rock Cafe
Hard Rock Cafe
Performance da Marca
N/A
/100
Sem dados
Sem dados
Índice de Satisfação nos últimos 12 meses.
Ranking na categoria
Bares e Discotecas
1 Eskada Club 25.5
3 Boîte 10
...
Hard Rock CafeN/A
Hard Rock Cafe Portugal S.A.

Hard Rock Cafe - Lei da prioridade ( deficiente motor ) não foi cumprida

Sem resolução
Pedro Felício
Pedro Felício apresentou a reclamação
4 de novembro 2018

Bom dia,
No dia 3/11/2018 pelas 21H05M dirigi-me com a minha família ao Hard Rock Café em Lisboa, logo na entrada encontra-se como em todos os Hard Rock Cafés em todo o mundo, uma pessoa ( funcionário) a perguntar quantas pessoas são e o tempo que mais ao menos leva até os clientes serem sentados para poderem ir comer. Neste processo é-nos atribuído um pager ao qual quando começa a vibrar e a aparecerem umas luzes é para nos dirigirmos a um outro sitio onde se encontra outro funcionário para nos encaminhar a uma mesa.

Quando cheguei com a minha família, informei o funcionário que atribui os pagers, que era deficiente motor a 73% e mostrei o meu atestado de incapacidade permanente, ao qual o funcionário me disse que era só aguardar que como era prioritário seria logo chamado, mas que como estava um grupo grande de pessoas que poderia demorar um pouco mais, mas nada de especial.

Ficamos a espera, em pé, não me foi dada uma cadeira para que eu me pudesse sentar. 10 minutos depois eu e a minha família, bem como todas as outras pessoas que estavam a espera começamos a ver o grupo grande a ir embora, 5 minutos depois, começaram a chamar pagers e o meu continuou sem ser chamado.

Pelas 21H35M questionei o funcionário que dá os pagers se ainda demorava tempo, ao qual a resposta foi suis generis com um simples "NÃO SEI".
Informei que queria ser esclarecido no tempo que demoravam para sentar uma pessoa deficiente motora e para tal pedi que me chama-se o responsável do Hard Rock e que se não importasse que depois de eu ser atendido ( depois do jantar) queria o livro de Reclamações para expor esta situação caricata.

Ninguém veio, encontrei um funcionário de nome Osvaldo ( super atencioso e educado ) ao qual eu expus a situação toda novamente e o qual disse-me que iam ser o mais céleres possíveis e pedia desculpa, compreendi e reforcei que no final da refeição ira querer o livro de reclamações para manifestar o meu desagrado por toda esta situação.

2 ou 3 minutos, aparece-me a minha frente uma pessoa, de nome Bernardo (Manager) a solicitar-me o meu pager e para o acompanhar, ao qual questionei, mas o meu pager não tem que vibrar?
Resposta: sou eu que vou tratar da sua situação, até aqui tudo bem, reforcei ao Manager Bernardo que depois da refeição iria querer o livro de reclamações, resposta curta e grossa dada pelo manager, Eu dou-lhe já o livro de reclamações, faz a sua reclamação e depois de fazer a reclamação já não vai ter entrada para ser servido, ou seja , para eu e a minha família jantarmos.

SENTI-ME HUMILHADO, DIMINUÍDO por pedir aquilo a que tinha direito, de mostrar o meu desagrado por toda esta situação e acima de tudo infelizmente, por ter nascido com uma doença congénita que me leva a ter uma incapacidade permanente de 73% com dificuldade de locomoção na via pública.

Já havia clientes no espaço onde eu estava a dizer ao manager que estava a ser indelicado e que não estava a respeitar a lei da prioridade Decreto-Lei n.º 58/2016, de 29 de Agosto , ao qual é clara, e quando solicitado o livro de reclamações o mesmo , NÃO O NEGOU, MAS SEU FIZESSE RECLAMAÇÃO JÁ ESTARÍAMOS PROIBIDOS DE SER SERVIDOS.

Afinal onde estamos?

Estamos em Portugal, País que se rege por leis e Dec Leis, emados pelo Governo e Assembleia da Républica, vivemos num Estado Democrático, de bons costumes, onde as pessoas quando pedem para que o seu direito seja exercido, o mesmo não é praticado, onde um deficiente pode e é Humilhado e Diminuído, por uma pessoa que por ser manager, pensa que manda e que pode barrar uma entrada quando lhe é dito que a reclamação vai ser feita.

Hard Rock Café Lisboa, esta não é a postura que a empresa nos EUA protagoniza e muito menos é a postura que em Portugal se admite, a Lei e os Dec Lei são para serem cumpridos.

Informo que irei também fazer reclamação junto da ASAE e todas as entidades competentes por causa desta humilhação que eu passei.

Data de ocorrência: 4 de novembro 2018
Esta reclamação foi considerada sem resolução
Comentários
Esta reclamação ainda não tem qualquer comentário.