Intrum

Intrum Portugal, Unipessoal Lda

Categoria
Cobranças

Telefone: 213172200

Morada
Alameda dos Oceanos, 59
Edifício Espace
Piso 1, Bloco 2 A/B
Parque das Nações
1990-207 Lisboa

E-mail
info@pt.intrum.com

Website
http://www.intrum.com/pt/

Recomenda esta marca?

9
81

Partilhar esta página

Intrum - Prescrição de dúvida

Em tratamento
28813219
275
0 gostos
Carlos Cardoso apresentou a reclamação

Boa Tarde,

Fui contactado por vossa empresa relativamente à cobrança em nome do vosso cliente MEO - Serviços de Comunicações e Multimédia, S. A para a liquidação de facturas emitidas entre o período de 8 de Dezembro de 2010 e 13 de Fevereiro de 2012.

A carta que recebi de vossa empresa está identificada o nº/referência E9489468, indicando como referência de cliente 001073899339 com o montante em dívida de 1.591.01€

Tendo já passado mais de 7 anos desde que a última factura foi emitida por vosso cliente MEO, informo que considero as mesma prescritas/caducadas conforme o decreto nº 10 da lei nª12/2008 que aqui transcrevo: " O direito ao recebimento de preços de serviços prestados prescreve no prazo de 6 meses após a sua prestação".

Tendo em conta o que refiro nesta reclamação, agradeço a confirmação através de um comentário a esta reclamação e também por escrito da anulação da dívida reclamada.

Com os melhores cumprimentos,
Carlos Cardoso
06 Jun2019
Carlos Cardoso editou a reclamação
03 Jul2019
Intrum adicionou uma resposta

Exmo. Sr.,

Agradecemos o seu contacto relativamente à exposição apresentada no Portal da Queixa nº28813219, a qual mereceu o nosso maior cuidado.
De acordo com o email remetido para a sua caixa de correio electrónico no dia 14/06/2019, pela nossa área de BackOffice, somos a informar que a reclamação foi encerrada nos nossos Serviços.
Sem mais de momento e inteiramente ao dispor.
Com os melhores cumprimentos.
A equipa de Compliance

Intrum está a aguardar resposta do utilizador

Comentários (1)

Ver perfil de Maria P Silgo

Maria P Silgo

Estas dívidas prescrevem ao fim de seis meses se, dentro desses seis meses, o ora credor não tiver metido ação em tribunal.
A Intrum sabe isso e está a cometer um ilícito se não informar o outrora devedor, quando o contacta, de que pretende obrar uma dívida prescrita por Lei.
Além de que é público de que a Intrum não pode cobrar estas dívidas. Se assim for, a Intrum está a agir for da lei.