Laboratórios Germano de Sousa

Centro de Medicina Laboratorial Germano de Sousa, SA

Laboratórios Germano de Sousa

Laboratórios Germano de Sousa

(64.4%)
Ranking na categoria

Categoria
Laboratórios e Análises Clínicas

Telefone: 212693530

Morada
Rua Cupertino Miranda, 9, Lt. 8
Polo Tecnológico de Lisboa
1600-513 Lisboa

E-mail
contact@germanodesousa.com

Website
https://www.germanodesousa.com

Recomenda esta marca?

4
6

Partilhar esta página

Laboratórios Germano de Sousa - O COMÉRCIO DA SAÚDE

Sem resolução
16654218
1412
0 gostos
Gualter Agrochão apresentou a reclamação

No dia 07.02.2018, pelas 08H30 dirigiu-se o Reclamante ao nº 11 A / B da Av. Columbano Bordalo Pinheiro, em Lisboa, onde ficam sedeadas as Entidades aqui Reclamadas, adiante Reclamadas, para a realização de conjunto de exames / análises prescritas pelo seu [do Reclamante] médico assistente.
"Quem está para exames"? Perguntou uma das funcionárias do balcão. O Reclamante estava “exames” (Ecografia Prostática), mas fez notar que também estava para análises. "As análises são ali no outro balcão", respondeu secamente a Senhora do Balcão. Mesmo não percebendo nada de medicina e afins, muito estranhou o Reclamante que ninguém se tivesse preocupado em olhar para o conjunto das prescrições médicas para uma eventual necessidade de triagem / ordem de precedência. Esta estranheza foi, afinal, premonitória do que de muito grave se iria passar. Lá chegaremos.
Realizada a Ecografia, dirigiu-se o Reclamante ao tal balcão das análises onde após longos minutos de espera, como uma multidão de cidadãos, perguntou se não estava ninguém para atender. Como resposta ouviu uma extraordinária explicação: a Senhora do balcão também fazia as recolhas de sangue. Ou seja, a multifuncional personagem andava em permanente vaivém do front para o back office e vice-versa. Uma espécie de clique milagroso parece ter avisado o Reclamante que logo decidiu não efectuar o resto dos exames e aguardar pela chegada de mais uma viagem da multifuncional personagem. Passados mais uns largos minutos eis que chega a Senhora. Informada que não iria realizar os exames e que queria o Livro de Reclamações, a Senhora perguntou espantada "mas porquê?" Ao que o Reclamante respondeu "Porque pretendo lavrar uma reclamação, naturalmente". Vasculhadas gavetas e prateleiras, o Livro lá apareceu depois de um milagroso telefonema. Entretanto a multidão de cidadãos em espera crescia.
Lavrada a Reclamação (cópia em anexo), o Reclamante abandonou o local quando eram 09H30, extremamente nervoso e irritado, dirigindo-se de imediato a um outro Centro a escassos metros de distância para realizar os restantes exames. E eis que Azar e Sorte voltam combinar-se de forma virtuosa.
Porque o Reclamante tinha ainda a bexiga repleta em resultado da preparação para a realizada Ecografia, pediu à afável Senhora do balcão se podia utilizar o WC, comentando por mero acaso o sucedido. A senhora, muito espantada, balbuciou, cita-se de memória "Mas quer realizar este exame [PSA]? É que acho que não pode fazer; mas vou informar-me...". Passados breves instantes, regressou acompanhada de uma Senhora Médica que de forma clara e detalhada explicou ao Reclamante (que entretanto já tinha aliviado a bexiga) as razões por que o PSA não deveria ser mesmo realizado. As sequelas da Ecografia realizada iriam com quase certeza médica adulterar os resultados do PSA. E aconselhou, para o espírito confuso e revoltado do Reclamante prescreveu, QUE O EXAME (PSA) NÃO DEVERIA, NUNCA, SER REALIZADO ANTES DE 30 DIAS, DESEJAVELMENTE MAIS. Veja-se!...
O Reclamante, ainda atordoado com tamanhas incompetência, irresponsabilidade, incúria, demonstradas pelas Reclamadas, assim fará, naturalmente.
Entretanto, num raciocínio da mais pura lógica, conjecturou acerca de um diagnóstico e terapêutica baseados nos resultados adulterados da PSA. Próstata, o terror dos sessentões, numa desgraça, desassossego próprio e de familiares, particularmente dos Filhos, uma em NY outro na cidade do México; abalo psicológico semelhante ao já partilhado com um Irmão, impotência precoce,...
Tudo demasiado grave para passar em claro. E POR VONTADE E EMPENHO DO RECLAMANTE NÃO PASSARÁ!.. Por isso o Reclamante:
- Exige das Reclamadas uma indemnização de 100.000.00 Euros (cem mil euros) por clamoroso erro médico;
- Vai consultar um advogado com vista a intentar contra os responsáveis das Reclamadas um processo judicial por ofensa tentada à integridade física e psicológica;
- Vai solicitar formalmente a intervenção dos serviços competentes do Ministério da Saúde, da ADSE (sistema de que o Reclamante é beneficiário) e da Ordem dos Médicos, tendo em vista aferir da capacidade das Reclamadas para continuar a operar num mercado tão exigente como é, tem que ser, o da Saúde;
- Num acto de cidadania informada, vai partilhar o episódio em plataformas digitais de propagação viral. Parafraseando o Poeta, "O que é preciso é avisar a malta".


Esta reclamação tem um anexo privado
23 Fev2018
Laboratórios Germano de Sousa adicionou uma resposta

Exmo. Sr. Gualter Agrochão,

Vimos agradecer a sua reclamação, que nos permite melhorar a qualidade nos nossos serviços.

Em anexo a resposta da Direcção do Centro de Medicina Laboratórial Geramano de Sousa, aos factos expostos na sua reclamação, e que dizem respeito à nossa entidade.

Com os melhores cumprimentos,

Dep Qualidade


Esta resposta tem um anexo privado
03 Mar2018
Gualter Agrochão adicionou uma resposta

Exmos. Senhores,
A dita resposta é na verdade um não resposta, uma conversa banal, para impressionar pategos, ao bom estilo "Vimos agradecer,..." blá-blá-blá, a que não podia faltar o cínico "placebo" da "qualidade", pois claro!... Nenhuma surpresa; está bem em linha com os standards habituais da (péssima) prestação de serviços em Portugal; do torpedeamento inimputável dos mais elementares direitos dos Cidadãos-Clientes. Apenas uma nota de retórica, com falácia à mistura. Se a colaboradora vossa Técnica de Análises Clínicas, que se encontrava só, é "totalmente capacitada para as funções administrativas", também é totalmente capacitada para fazer análises clínicas? É isso que releva Sr. Director do Laboratório. De outro modo, no mesmo registo falacioso, também poderá afirmar-se que um(a) especialista em Secretariado e Atendimento ao Público estará "totalmente capacitada para as funções clínicas". E, já agora, quando a Sra. TAC está no vaivém entre o front e o back office, e vice-versa, qual a fatiota que veste? A de TAC ou de burocrata? Sr. Director do Laboratório, de um ex-bastonário da Ordem dos Médicos esperar-se-ia uma razoável dose, por mínima que fosse, de inteligência emocional para não julgar os outros como uns meros indigentes mentais, reverencialmente curvados a nomes, mais ou menos VIP!...
Mas, vá lá, a não-resposta tem o mérito de confirmar o velho aforismo do "pior a emenda que o soneto", num exercício lamentável de "sacudir a água do capote" que só vem reforçar as razões deste Cidadão que viu serem-lhe aplicados processos irresponsavelmente atentatórios da sua integridade física de psicológica. Vejamos, então, mui ilustre Diretor do Laboratório, adiante DL, e ex-Bastonário:
- No mesmo espaço do nº 11 A / B da Av. Columbano Bordalo Pinheiro, em Lisboa, e no mesmo balcão, coexistem serviços complementares para um Cidadão-Utente que nas minhas circunstâncias teria que realizar exames médicos com uma ordem sequencial determinada por imperativos médicos;
- O Sr. DL não terá muito provavelmente lido o conteúdo da Reclamação; terá provavelmente rabiscado, à pressa, o que algum(a) administrativo(a) meio iletrado(a) lhe deixou em cima da mesa ou nalgum intervalo para uma chá. Um Sr. DL e ex-bastonário não escreveria os dislates que constam da não-resposta;
- Então Sr. DL, não seria da mais elementar obrigação médica, e de bom-senso, que alguém para tal qualificado olhasse para as prescrições médicas que têm resposta (???) no mesmo espaço e no mesmo balcão? Como, aliás, aconteceu no Laboratório a que me dirigi na sequência dos atentados cometidos pela dupla Germano de Sousa / NRD e no qual, 1 mês depois (!!!) de tais atentados, irei realizar os restantes exames.
- Mas já que provavelmente o Sr. DL não leu, eu vou repetir o que consta da Reclamação para que V. Exa. constate a absoluta indigência, irresponsabilidade a roçar a criminalidade, incompetência,... da dupla de comerciantes da saúde que coabitam no nº 11 A / B da Av. Columbano Bordalo Pinheiro, em Lisboa: «Quem está para exames"? Perguntou uma das funcionárias do balcão. O Reclamante estava para “exames” (Ecografia Prostática), mas fez notar que também estava para análises. "As análises são ali no outro balcão", respondeu secamente a Senhora do Balcão. Mesmo não percebendo nada de medicina e afins, muito estranhou o Reclamante que ninguém se tivesse preocupado em olhar para o conjunto das prescrições médicas para uma eventual necessidade de triagem / ordem de precedência. Esta estranheza foi, afinal, premonitória do que de muito grave se iria passar. Lá chegaremos.»
Mas não valerá a pena continuar a perder tempo com argumentos condenados a esbarrar na convicta auto-decretada ininputabilidade de certos DL, demasiado importantes e atarefados para se preocuparem com minudências da plebe. Uma banalidade do jaez do "Vimos agradecer a sua reclamação, que nos permite melhorar a qualidade nos nossos serviços." é quanto basta!...
Não basta não, Sr. DL. Acredite que não basta!... O atentado a que a dupla de comerciantes da saúde GS / NRD, subsidiada por dinheiros públicos, portanto pelos meus impostos, sujeitaram este Cidadão-Utente foi demasiado grave para passar impune, mesmo neste País meio terceiro-mundista. Repito e reitero o que faço agora e farei no decurso dos próximos dias:
- Exijo das Reclamadas uma indemnização de 100.000.00 Euros (cem mil euros) por clamoroso erro médico;
- Instruirei o meu advogado com vista a intentar contra os responsáveis das Reclamadas um processo judicial por ofensa tentada à integridade física e psicológica;
- Solicitarei formalmente a intervenção dos serviços competentes do Ministério da Saúde, da ADSE (sistema de que o Reclamante é beneficiário) e da Ordem dos Médicos, tendo em vista aferir da capacidade das Reclamadas para continuar a operar num mercado tão exigente como é, tem que ser, o da Saúde;
- Apresentarei queixa junto Tribunal Europeu dos Direitos do Homem;
- Num acto de cidadania informada, vai partilhar o episódio em plataformas digitais de propagação viral. Parafraseando o Poeta, "O que é preciso é avisar a malta". Para já no Linkedin onde o Reclamante tem uma razoável Network, com centenas de leitores dos seus escritos (poderá V. Exa. confirmá-lo facilmente).
Gualter Agrochão, Cidadão-Utente que dispensa mais banalidades travestidas de pseudo-resposta.

27 Ago2020
A reclamação foi considerada "Sem Resolução" por falta de actividade
Esta reclamação foi considerada sem resolução

Comentários (2)

Ver perfil de Cavaleiro Negro

Cavaleiro Negro

Fica desde já avisado que neste país pequenino só vai perder tempo e dinheiro, pois não existe barra de tribunal que seja capaz de quantificar danos morais e psicológicos infligidos, quanto mais os tentados.

Ver perfil de Gualter Modesto Agrochão

Gualter Modesto Agrochão Autor

Agradeço ao "Cavaleiro Negro". Vou até ao fim; detesto perder por falta de comparência. Entre tribunais, Ordem dos Médicos, Ministério da Saúde, ADSE, redes sociais,... alguém há-de causar danos a estes comerciantes da saúde.