Performance da Marca
Índice de Satisfação nos últimos 12 meses.
Taxa de Resposta
100%
Tempo Médio de Resposta
100%
Taxa de Solução
85,8%
Média das Avaliações
26,7%
Taxa de Retenção de Clientes
19,6%
Ranking na categoria
1 Worten 86.9
2 Radio Popular 73.8
3 FNAC 20.6
Radio Popular SA
  • Nascemos em 1977, e não paramos de crescer. Da primeira loja na Rua do Loureiro à mais recente em Vila do Conde, estamos cada vez mais próximos dos portugueses.

    Fomos uma das primeiras empresas portuguesas a aderir ao comércio eletrónico, tornando a consulta, comparação e escolha dos produtos ainda mais fácil e conveniente. Desde 2004 que pode encontrar-se connosco online, a partir de qualquer parte. Que tal agora?

  • 229409600
  • Aguda Parque - Largo de Arcozelo, 76, Edifício E
    4410-455 Arcozelo, Vila Nova de Gaia
  • cliente@radiopopular.pt

Rádio Popular - Até criei um blog

Resolvida
Carla Silveira Maia
Carla Maia apresentou a reclamação
12 de março 2010

A Rádio Popular, empresa prestigiada em todo o país, garante e afixa nas suas lojas um direito do consumidor que não cumpre, agindo desta forma ilegalmente.

Levei o meu computador comprado por 1299 euros na Rádio Popular da Maia para reparação. O aparelho encontra-se dentro da garantia e como tal, segundo as normas que a própria loja expõe em cartaz, deveria ser entregue reparado no prazo máximo de 30 dias úteis (algo estranho quando o que a lei prevê são 30 dias). No caso da reparação não ocorrer dentro deste prazo, garante a mesma lei (e o cartaz afixado nas lojas da Rádio Popular) o fornecimento de um computador novo ao consumidor. Contudo quando me foi solicitado o levantamento do aparelho (uns 10 dias antes do prazo terminar) o ecrã estava danificado, e como tal não efectuei o seu levantamento nem assinei qualquer documento que indicasse que o teria levantado e que permitisse abertura de novo processo, prosseguindo em decurso o mesmo processo de reparação cujo prazo terminava a 25 de Janeiro (tal como eu verifiquei o estado do computador antes de o levantar, também a loja o fez, sendo prova disso a guia de reparação que confirma que o computador foi entregue em estado razoavel, ou seja não apresentando qualquer dano no ecrã) .
No final dos 30 dias úteis de reparação, dia 25 de Janeiro, dirigi-me à loja para efectuar o levantamento do aparelho e fui informada que este não se encontrava reparado e pronto para entrega. Solicitei então, de acordo com as normas referidas, um novo aparelho. No entanto, o responsável pós venda informou-me que a Administração não permitia a entrega de um novo aparelho alegando que a responsabilidade do dano não seria sua mas sim dos fornecedores ou transportadores (empresas com que a loja trabalha e que eu acredito não ter qualquer obrigação perante os seus clientes) que por sua vez declinaram também a culpa.
Apesar de explicar na loja que sou consumidora da Rádio Popular e não dos seus fornecedores e transportadores e que por isso me deveriam entregar o computador conforme as normas sob as quais o comprei (com garantia de reparação em 30 dias úteis e oferta de novo aparelho em caso de incumprimento deste prazo) e que a identificação dos responsáveis pelo dano deveria ser um processo interno que não diz respeito ao consumidor final da loja, a posição e argumentos da loja mantiveram-se inalterados, não havendo lugar à entrega de novo computador justificado pela não identificação do culpado (loja, transportadora ou fornecedor).
Apresentei queixa no livro de reclamações da loja dia 26 de Janeiro e até hoje continuo sem resposta (nem da loja nem das entidades competentes).

Contactei a loja pessoalmente e por telefone várias vezes, escrevi  um e-mail a expor a situação para o qual não obtive resposta. Apesar dos vários contactos da minha parte a loja nunca me contactou até que escrevi um novo e-mail pedindo o ponto de situação do problema uma vez que tinha sido convidada para uma reportagem pública acerca do assunto. Contudo a situação continua por resolver. e por isso criei um blog (radiopopularnuncamais.blogspot.com) e um grupo no facebook (Radio Popular NUNCA MAIS!) para divulgar a situação e prevenir eventuais consumidores desta loja. Estes espaços estão abertos a todos e apelo à contribuição de todos os que, como eu, foram lesados pela Rádio Popular de forma a que estas ilegalidades não permaneçam impunes e ignoradas.

Data de ocorrência: 12 de março 2010
Radio Popular
14 de novembro 2012
Exmos. Senhores,

Vimos por este meio confirmar a recepção da V/ e-mail, o qual
mereceu a N/ melhor atenção.

No que respeita à reclamação apresentada pela Sra. Carla Maia,
passamos a informar, que a situação se encontra resolvida a contento da Cliente,
uma vez que procedemos à devolução do equipamento em questão.

Na expectativa de termos ido ao encontro do solicitado por V/Exas, apresentamos os nossos
melhores cumprimentos.

Atenciosamente,

José Sala
(Director de Operações)
Esta reclamação foi considerada resolvida
Comentários

O rfcg tem muita razão, é por pessoas do género do Exmo sr. Miguel Matias que se habituaram desde pequenos à lei do "deixar andar, é só mais um dia ..e depois outro..." é que os grandes abusam de nós. E olhem que esses, tal como as finanças ou outros serviços públicos, e EDPs e PTs quando é a cobrar não dão esse tempinho extra.