Empresas e Serviços

CTT - Encomendas desaparecem misteriosamente


Em tratamento
20100718

Sem me querer alongar muito, acho inadmissível e o que se está a passar actualmente com os CTT, as encomendas dos últimos meses desaparecem e algumas estão em recepção internacional há cerca de 1 mês. Deveriam ser investigados urgentemente, para se tirar as devidas conclusões. Como é que uma empresa que presta um serviço postal do terceiro mundo tem um Banco? Sou obrigado a confiar as minhas encomendas a esta pseudo - empresa, mas jamais irei confiar o meu dinheiro, não vá ele desaparecer.

Respostas

CTT em 2018-07-05 09:44 Exmo. Senhor
Tiago Almeida

Gostaríamos de agradecer o seu contacto, que mereceu a nossa melhor atenção.

Lamentamos, desde já, a situação ocorrida.

Para procedermos ao tratamento desta situação, e respetivas averiguações, pedimos que nos envie, por favor, as seguintes informações:

Assunto Portal da Queixa: CTT - Encomendas desaparecem misteriosamente
Reclamação Portal da Queixa nº 20100718
E-mail do reclamante:
Nome e morada completa do destinatário:
Nº do Objeto (2 letras, 9 algarismos, 2 letras) :

Apenas com estes dados poderemos efetuar mais averiguações e disponibilizar-lhe uma resposta conclusiva.

Pedimos, assim, o envio da informação solicitada para: reclamacoes@ctt.pt.

Gratos pela sua melhor compreensão, reiteramos o nosso pedido de desculpa e apresentamos-lhe os nossos melhores cumprimentos.

David Alves
Serviço de Atendimento ao Cliente
Tiago Miguel Marques Almeida em 2018-07-05 10:07 Infelizmente é uma perca de tempo, por experiências anteriores. Já dei informações em casos semelhantes e ainda hoje estou à espera dos artigos que simplesmente desapareceram . Tudo é uma perda de tempo com os CTT. Enquanto não houver alternativas fidedignas teremos que vos suportar. É assim o Portugal dos pequeninos!

Comentários


António Mirra

Depois ainda falam mal das empresas do estado/funcionários públicos. Assim está melhor...quem diz os CTT, diz outras (água, transportes, saúde, etc...... Venham mais privatizações.




Comentar

Apenas utilizadores registados podem fazer comentários.

Inicie sessão e regresse novamente a esta página para comentar.