Ataques por phishing nos cartões de crédito fazem disparar reclamações. WiZink é a marca mais visada.

Grupo “Lesados WiZink” une-se via Portal da Queixa.

Entre 1 de janeiro e 15 de julho deste ano, chegaram ao Portal dada Queixa 943 reclamações dos relacionadas com cartões de crédito e pagamentos, um crescimento de 130%, face ao período homólogo, onde foram registadas apenas 404 reclamações.

Ataques por phishing nos cartões de crédito fazem disparar reclamações. WiZink é a marca mais visada.
Partilhe

Um dos principais motivos das queixas dos consumidores prende-se com os ataques por phishing. Os clientes do Cartão WiZink são os mais visados por estes esquemas de fraude. “Lesados WiZink” é um grupo de consumidores online, lesado em 130 mil euros, que se uniu via Portal da Queixa. É urgente criar medidas de combate à iliteracia digital, advoga O CEO do Portal da Queixa.

A pandemia de COVID-19 veio potenciar o aumento do cibercrime. O número de crimes relacionados com o uso fraudulento de cartões de crédito tem vindo a disparar. Uma realidade que tem sido evidenciada através dos vários casos reportados pelos consumidores junto do Portal da Queixa.

Desde o início do ano até 15 de julho, as queixas gerais relacionadas com cartões de crédito e pagamentos duplicaram face a 2020, uma subida que foi transversal a todas as entidades inseridas nesta categoria (Cartão Universo, Cartão WiZink, Cartão Revolut e Cartão Cyrana). O destaque vai para o aumento exponencial das reclamações relacionadas com phishing, e os prejuízos causados pela alegada falta de segurança na utilização dos cartões de crédito.

A análise revela que, depois do elevado número de casos identificados com o Cartão Universo – que resolveu cerca de 80% das reclamações registadas no Portal da Queixa -, o Cartão WiZink é o mais recente visado destes esquemas de fraude.

O aumento e gravidade dos casos reportados originaram mesmo a criação - por parte dos consumidores utilizadores do Portal da Queixa -, de um grupo online intitulado “Lesados WiZink”, que já conta com 25 pessoas que, alegadamente, entre abril e maio, perderam 130 mil euros nos cartões de crédito WiZink.

Patrícia Furtado foi uma das vítimas de um esquema de fraude através do cartão WiZink, com um prejuízo de quase 10 mil euros. Ivo Dias também partilhou no Portal da Queixa, a sua experiência negativa através da reclamação que dirigiu à entidade WiZink. Pedro Pereira, lesado em 4.200€, também denunciou o seu caso no Portal da Queixa. Clarisse Cunha é outra das lesadas que registou a sua reclamação no Portal da Queixa.

Nos próximos tempos, com o natural crescimento na utilização de equipamentos tecnológicos e digitais, o grande problema da sociedade será certamente a insegurança dos dados pessoais e financeiros dos consumidores. Grandes mudanças, trazem igualmente grandes riscos para todos, e para os combater nada melhor que o conhecimento, que infelizmente tem faltado a grande parte dos novos consumidores digitais, que começam a sentir, cada vez mais, a necessidade de utilizarem mecanismos tecnológicos que não dominam, por forma a não se sentirem infoexcluídos. Tal como toda a evolução anterior da nossa história, foi necessário tempo e aprendizagem, sendo que em alguns casos foi necessária a obrigação de licenças de utilização, como por exemplo o uso de armas, condução e carteiras profissionais, com vista a regular o uso de alguns equipamentos. Hoje, para qualquer um de nós aventurar-se online, basta ter um telefone com acesso à internet. É urgente que os responsáveis governamentais ajam em prol dos interesses dos consumidores, com vista a garantir-lhes um acesso seguro, capaz e com a equidade necessária.”, defende Pedro Lourenço, CEO e Founder do Portal da Queixa by Consumers Trust.

 

Campanha #NãoSejasPato promove literacia digital

Recorde-se que, atento à nova sociedade digital que emergiu em força em pleno contexto pandémico e a pensar na defesa dos consumidores portugueses face aos perigos online que se escondem à espreita, o Portal da Queixa lançou no final de 2020, a campanha #NãoSejasPato que visa aumentar a literacia digital da população e evitar que esta caia em burlas e esquemas fraudulentos. Este movimento cívico nacional de educação para o consumo digital, integra como entidades parceiras do projeto: o OLX, o MB WAY, a Worten, os CTT, o KuantoKusta e o euPago.

 

© PRODUÇÃO DE CONTEÚDO | Notícia


Comentários

É fácil estar sempre actualizado

Mantenha-se informado das últimas notícias e outras informações relevantes com a nossa newsletter!