Dicas do KuantoKusta para se preparar para a Black Friday 2020

Quer saber como pode fazer boas compras sem ser enganado nesta Black Friday? Descubra como o fazer com estas 10 conselhos.

Dicas do KuantoKusta para se preparar para a Black Friday 2020
Partilhe

Está a chegar uma das mais esperadas épocas do ano para a realização de compras, mas também uma das que mais criam questões nos consumidores: a Black Friday.

Muitos consumidores aproveitam a Black Friday para realizar as suas compras de Natal ou compras de valor mais elevado na esperança de conseguirem negócios vantajosos.

Considerando esta maior predisposição para a compra, torna-se importante saber se de facto está perante um bom de negócio ou uma tentativa de fraude.
 

Assim, neste artigo, o KuantoKusta partilha 10 conselhos para o ajudar a fazer boas compras nesta Black Friday.

 

10 conselhos para evitar fraudes na Black Friday

 

  1. Faça uma lista dos produtos que quer comprar

 

O primeiro passo passa por definir quais os produtos que pretende comprar.

Fazer uma lista do que quer comprar na Black Friday evita que acabe a fazer compras por impulso e que se deixe enganar por ofertas que, à primeira vista, parecem imperdíveis.

Esta preparação antecipada é o ideal para quem quer aproveitar a Black Friday para, por exemplo, comprar as prendas de Natal ou equipamentos que necessita ou quer comprar já há algum tempo.

Talvez não seja o ideal para quem anda à “caça” de boas oportunidades, mas para além ajudar a evitar eventuais burlas, também ajuda a evitar que compre produtos dos quais não precisa realmente.

 

  1. Escolha as marcas e as lojas

 

Depois de elaborada a lista de produtos que quer comprar, o passo seguinte passa por escolher a marca desses mesmos produtos.

Se pretende comprar um smartphone, por exemplo, e não sabe ainda qual a marca e modelo pelo qual deve optar, é nesta fase que deve pesquisar os produtos disponíveis no mercado e quais as suas características.

Depois de comparar algumas marcas e respetivas especificações, torna-se mais simples escolher qual o produto que quer comprar, ou pelo menos reduzir as possibilidades a dois ou três produtos semelhantes.

Depois de definidas as marcas, deve comparar o preço dos produtos em diferentes lojas, sejam elas online, ou físicas.

Por vezes as lojas online apresentam valores mais baixos que as lojas físicas. E a pesquisa online não está condicionada apenas a lojas online localizadas em Portugal. Pode também consultar as lojas online que enviem os seus produtos para o nosso país. 

 

  1. Subscrever várias newsletters

 

Depois de definidas as lojas que quer manter debaixo de olho, há uma forma simples de receber a informação que procura sem ter que estar sempre a aceder aos sites dessas mesmas lojas: subscrever as newsletters.

Por exemplo, através deste canal de comunicação (newsletters) irá conseguir acompanhar a evolução dos preços praticados e ser informado de eventuais promoções.

Receber uma imensidão de newsletters não é o que certamente pretende, pelo que deve apenas subscrever as newsletters das lojas que pretende acompanhar e, se possível, apenas referentes às suas áreas de interesse (p.ex. tecnologia). 

DICA: Se não quer subscrever newsletters para a Black Friday porque não quer ser bombardeado com as mesmas após este dia, saiba que a qualquer momento e de forma  simples, pode cancelar subscrição das mesmas. Como tal, subscreva para este período e depois tome a sua decisão final. 

 

  1. Comparar produtos com as mesmas especificações

 

Umas das principais queixas dos consumidores prende-se com o facto de verem as suas expectativas defraudadas. Ao receberem o produto adquirido, percebem que não era bem aquilo que queriam comprar, ou acham que não foi, de todo, aquilo que compraram.

E, muitas das vezes, a explicação é simples: o consumidor comprou um produto anunciado como tendo determinada designação ou características, mas cujas especificações não eram as desse produto.

Isto pode acontecer por desconhecimento ou distração do consumidor, ou porque se trata de um erro ou, até, burla planeada pelo comerciante.

É, por este motivo, extremamente importante analisar cuidadosamente as especificações dos produtos que está a comparar.

Por exemplo, o consumidor pode estar a comparar tablets / computadores / smartphones com a mesma designação e optar pelo mais barato sem se aperceber que estes têm capacidades de armazenamento ou até memórias RAM diferentes.

Por outro lado, quando se trata de um erro (ou de uma burla), o comerciante pode apresentar a referência de um produto, mas estar na realidade a vender outro, por exemplo, do ano anterior.

Estes detalhes são difíceis de detetar, principalmente quando se tratam de produtos com referências mais complexas, como por exemplo, eletrodomésticos ou TVs.

Nestas situações a atenção deve ser redobrada e as especificações lidas cuidadosamente. 

Até pode conseguir trocar o produto ou reaver o seu dinheiro, mas não sem antes ter algumas dores de cabeça.

 

  1. Ler cuidadosamente os termos e condições

 

Para além de ter muita atenção às especificações do produto, deve consultar e ler exaustivamente os termos e condições de venda do produto.

Muitas vezes as campanhas da Black Friday têm condições particulares que devem ser cuidadosamente analisadas.

Por exemplo, algumas lojas fazem campanhas onde oferecem descontos em todos os seus produtos, mas depois nas “letrinhas pequenas” indicam que excluem determinadas marcas ou categorias de produto.

É ainda essencial perceber quais os meios de pagamento para garantir que são seguros, a forma de expedição, eventuais custos adicionais e, muito importante, a garantia e estado do produto e períodos e meios de devolução.

 

  1. Consultar a evolução dos preços nos últimos tempos

 

Depois de definir os produtos que quer comprar e de ter escolhido algumas lojas nas quais poderá realizar a compra, deve analisar a evolução do preço desses produtos nos últimos tempos.

Uma das burlas mais praticadas pelos comerciantes está relacionada com o preço dos produtos.

Na Black Friday apresentam produtos com determinada percentagem de desconto, mas na realidade limitaram-se a aumentar o preço base, vendendo o produto pelo mesmo preço, em alguns casos até mais caro, a que sempre o venderam.

Analisar a evolução do preço dos produtos nos últimos meses ajudá-lo-á a perceber se efetivamente o produto está com um bom desconto, ou se o preço base foi inflacionado apenas para parecer que sim.

Deve analisar a evolução do preço ao longo de vários meses por forma a garantir que faz um bom negócio. Se não conseguir verificar os preços ao longo de tanto tempo, deve, pelo menos, acompanhar o preço do produto no mês que antecede a Black Friday.

 

Para o ajudar nesta tarefa tem a ferramenta de histórico de preços do KuantoKusta. Aqui poderá consultar o preço médio e mínimo do produto nos últimos 90 dias.

Utilizando esta ferramenta consegue garantir que compra o produto realmente a um bom preço.

 

  1. Comparar os preços nas lojas online e físicas

 

As lojas online e as físicas podem ter preços e campanhas diferentes. Para além disso, nem todas as lojas físicas comercializam os seus produtos online.

Assim, para além de comparar os preços das lojas online, deve também pesquisar os preços das lojas físicas e compará-los com os preços das lojas online.

Pode parecer um trabalho exaustivo, mas se se tratar de um produto de preço elevado, pode valer muito a pena.

Há ainda um outro motivo para comparar os preços também em lojas físicas: a possibilidade de negociar o valor do produto considerando que é mais baixo numa loja da concorrência numa localização próxima.

O custo do produto é um dos aspetos mais valorizados pelos consumidores. Mas imagine que as condições de garantia são mais vantajosas numa loja onde o produto é mais caro. Pode tentar negociar a diminuição do preço do produto justificando que na concorrência este é mais barato.

Muitas lojas acabam por baixar o preço do produto para acompanhar os valores praticados pela concorrência e o consumidor paga o mesmo valor pelo produto e consegue condições mais vantajosas.

 

  1. Garantir que está a fazer uma compra segura

 

Esta dica é destinada a quem faz compras online.

Deve sempre garantir que a sua compra online é realizada numa conexão segura, ou seja, idealmente numa rede de internet privada. 

Se fizer a compra numa rede pública (em cafés, por exemplo) estará mais exposto aos hackers informáticos, que acedem às redes e encontram vulnerabilidades nas mesmas para obter os dados pessoais e de pagamento das pessoas que se encontram ligadas à mesma.

Para além disso, garanta que o meio de pagamento é seguro. Não forneça dados pessoais ou bancários se achar que não é seguro ou que as informações solicitadas não são relevantes para a compra.

Se não souber como utilizar o meio de pagamento que o comerciante disponibiliza, não realize a compra sem antes esclarecer exatamente se é seguro.

Tem sido notícia, nos últimos tempos, o elevado número de burlas levadas a cabo através do MB Way. Sendo um meio de pagamento recente, o modo de funcionamento deste é, ainda, bastante desconhecido para várias pessoas.

Isto leva a que os burlões consigam enganar os consumidores, levando-os a disponibilizar os seus dados bancários sem que se apercebam do que estão a fazer. Os burlões acabam depois por subtrair elevadas somas às contas dos burlados.

 

  1. Estar sempre atento e ser desconfiado

 

Até agora demos-lhe conselhos objetivos e concretos que o podem ajudar a evitar que possa ser alvo de uma fraude. Agora vamos aconselhar-lhe algo um pouco subjetivo, mas que pode ser muito útil.

Ao deparar-se com alguma oferta, campanha, ou desconto que parece imperdível, desconfie sempre. A desconfiança vai deixá-lo mais alerta e vai fazer com que queira fazer uma pesquisa exaustiva para entender se está mesmo a fazer uma boa compra.

Desconfie principalmente das ofertas que nem parecem verdade, pois, muito provavelmente, não o serão.

 

  1. Consultar o Portal da Queixa

 

Consultar o Portal da Queixa antes de finalizar uma compra, principalmente quando não conhece a loja onde a vai realizar ou quando está desconfiado, é uma forma simples de se assegurar que não está a ser alvo de uma fraude.

Neste portal pode consultar o Índice de Satisfação com imensas marcas e ver as reclamações apresentadas por outros consumidores.

Uma loja com baixo Índice de Satisfação ou com diversas reclamações apresentadas por outros consumidores talvez não seja uma loja de confiança.

E se não encontrar a loja no Portal da Queixa?

Poderá ser uma loja recente, ou uma loja em que os negócios se desenrolam de forma perfeita.

Como isto não é muito comum e pode estar perante uma fraude, nomeadamente ser uma marca e loja criada propositadamente para uma fraude na Black Friday, vamos indicar-lhe uma outra forma de verificar a legitimidade da loja.

Quando não encontrar informação sobre a loja no Portal da Queixa, deve também consultar as redes sociais da loja para perceber se os comentários são favoráveis ou desfavoráveis. A existência de redes sociais ajuda a perceber se as lojas são, ou não, reais.

 

Conclusão

 

Resumidamente, para fazer uma boa compra e ficar satisfeito com a Black Friday já percebeu que a deve planear com tempo e evitar ações por impulso.

 

Antes de avançar para a compra, compare os modelos e preços do produto, verifique o respetivo histórico do preço, leia os termos e condições e garanta que está a comprar o produto com as especificações corretas. 

 

Caso opte por uma compra online, é ainda útil saber que dispõe de 14 dias para cancelar ou devolver o produto sem justificações (salvo algumas exceções).

 

Por último, mas não menos importante, guarde todos os documentos (faturas/comprovativos de pagamento) relativos à compra.

 

 

 

Artigo patrocinado pela marca KuantoKusta.


Comentários

É fácil estar sempre actualizado

Mantenha-se informado das últimas notícias e outras informações relevantes com a nossa newsletter!