Livrarias: queixas disparam 205% em 2018

Este ano, o Portal da Queixa já registou mais de 100 reclamações dirigidas a livrarias, um aumento de 205% face a 2017. Cerca de 90% das reclamações estão relacionadas com falhas nas entregas de encomendas

Informações
Esta notícia foi lida 2826 vezes
Partilhe

Ano letivo começa sem livros para alguns alunos

Até ao dia 21 de setembro de 2018,  chegaram ao Portal da Queixa cerca de 113 reclamações dirigidas a livrarias. Das 113 queixas registadas na plataforma, 90% são relativas a falhas na entrega das encomendas. A maior rede social de consumidores de Portugal verificou ainda que, 64% das reclamações recebidas desde o início de agosto até ao dia 21 de setembro, estão relacionadas com os manuais escolares. Um número que poderá aumentar caso o problema continue a verificar-se neste ano letivo que já começou, mas sem livros para alguns alunos.

As livrarias que apresentam um maior número de reclamações são a Bertrand Livreiros e a Wook. Para além das marcas presentes na tabela, também a Book in Loop e a Leya foram alvo de queixas, com 10 e 3 reclamações, respetivamente.

Reclamações a livrarias de janeiro a 21 de setembro

Marca

2017

2018

%variação

Bertrand Livreiros

5

16

220%

Wook

30

79

163%

 

Maria João Teixeira, cliente da Wook durante três anos, manifesta – numa mensagem publicada no Portal da Queixa – a sua indignação com a demora da entrega da sua encomenda e afirma que não foi cumprido o que informam nas condições de entrega:

 

Fiz uma encomenda de manuais e livros de fichas no final de agosto e veio parte da encomenda duas semanas depois. Ontem, dia 17/09 recebi a restante encomenda. No dia 4/09 fiz uma nova encomenda (5870536) de um manual, utilizando o voucher e até hoje, dia 18 a encomenda ainda não veio. No estado da encomenda conta que está em processamento sendo que o manual está pedido ao fornecedor. Vivo num meio pequeno, e quem encomendou nas papelaria locais já tem o dito manual. Ontem fiz mais uma encomenda (5932732) de livros de fichas que faltavam e a mesma foi paga da parte da manhã, incluindo os portes, que não foram gratuitos. Recebi um email, logo a seguir, a informar que assim que tivessem o ok por parte do banco a confirmar o pagamento, a mesma seria expedida de imediato o que não aconteceu até agora, e já passaram 24 horas. Nas condições de entrega informavam que as encomendas pagas até às 14:00 seriam expedidas no próprio dia. Na realidade não é isso que acontece e infelizmente quem acaba por sofrer as consequências são as crianças e jovens que precisam dos manuais e livros de fichas e não têm. O serviço da WOOK este ano deixa muito a desejar e concerteza não será mais a minha alternativa.” – 19 setembro 2018

 

Por sua vez, Carla Gonçalves, que encomendou os manuais a 18 de agosto, reclama que, no dia 20 de setembro, ainda não tinha recebido todos os manuais. A encarregada de educação relembra que “o aluno poderá incorrer em falta de material”.

Já Lúcia Freitas fez a reclamação diretamente à Leya. A livraria online onde fez a encomenda (Wook) afirma que não há disponibilidade dos livros por parte da editora:

 

Fiz a encomenda há algum tempo dos manuais escolares para a minha filha, que são desta editora. A encomenda foi feita na livraria online Wook. Há já 15 dias que dizem que não há disponibilidade dos livros por parte da editora. Estes livros são apenas necessários uma vez por ano e no início das aulas. Os livros são escolhidos pelas escolas com antecedência e as turmas são feitas com antecedência também. é imcompreensível que a editora não tenha manuais para entrega nas livrarias. Posteriormente informei-me junto de duas livrarias locais, que também dizem que há indisponibilidade na entrega. As aulas começaram sem livros e sem sabermos quando chegam...” – 19 de setembro 2018
Não são só as encomendas de manuais escolares que estão a gerar indignação aos consumidores portugueses, uma vez que Nádia Loureira já se tinha deparado com problemas nas encomendas de livros no inicio de 2018. A consumidora não recebeu o produto que encomendou e só depois de fazer a encomenda é que soube que este não existia em stock e que não conseguia pedir o reembolso:
“Comprei no dia 18-12 uma agenda na WOOK que diziam que tinham para entrega imediata. Após o pedido paguei em 25 minutos. Andaram a adiar a entrega. qual não é o meu espanto quando a 02-01 recebo um e-mail a dizerem que me tinham anulado a minha encomenda por indisponibilidade de produto e que no imediato, me iriam restituir o valor em vale de compras ou que poderia pedir na Área de Cliente o seu reembolso por transferência bancária. Ora, na minha área de cliente nem disponibilizaram o vale de compras, e apesar de já ter pedido, ainda não fizeram a transferência bancárias. As formas de contacto são escassas, só por preenchimento de formulário. É um serviço miserável e uma forma de tratar os cliente miserável. FUI LITERALMENTE ROUBADA, não me enviaram o produto e ficaram com o meu dinheiro!
”  - 3 de janeiro 2018

 

Problemas com manuais escolares não são novidade

O início do ano letivo 2018/2019 está a ser marcado por problemas associados aos manuais escolares. As aulas já começaram, mas são muitos os alunos que ainda não têm os livros necessários. 

Ora este é um problema que está aliado à plataforma MEGA, como já foi noticiado pelo Portal da Queixa. Foram vários os encarregados de educação que demonstraram a sua insatisfação com a nova  plataforma de manuais escolares gratuitos, principalmente, no que diz respeito ao atraso dos vouchers necessários para encomendar os manuais escolares.

No Portal da Queixa, a plataforma de manuais escolares gratuitos tem, atualmente, 29 reclamações (mais 19 reclamações desde o dia 6 de setembro), verificando-se um aumento de 190% em apenas 15 dias.

 


Comentários