Segurança Social

Ranking na categoria

Categoria
Serviços Sociais e de Previdência

Sobre

Canal não oficial da Segurança Social.
Para um contacto direto use o portal Segurança Social Direta


Telefone: 300 502 502

Morada
Rua Rosa Araújo, 43
1250-194 Lisboa

Website
https://www.seg-social.pt/consultas/ssdirecta/

Recomenda esta marca?

330
528

Partilhar esta página

Esta é a sua empresa? Clique aqui

Segurança Social - Informação errada origina roubo que me tentam fazer

Sem resolução
1874515
962
0 gostos
Ana Santos apresentou a reclamação

Tive bébé em 4 de Agosto 2014. Pedi licença parental e licença parental alargada. Foram ambas diferidas. A licença inicial pelo período de 4/8/2014 até 31/12/2014 e a licença alargada de 1/1/2015 até 31/3/2015. Quando em novembro recebi carta do meu trabalho a informar que o meu contrato não seria renovado, contactei a segurança social via segurança social direta a perguntar sobre a licença alargada, pois a mesma começaria no mesmo dia em que eu ficaria desempregada, ou seja, dia 1/1/2015 eu estaria desempregada e começaria a licença alagada, por isso questionei se ainda teria direito à licença alargada ou se deveria pedir logo o subsidio de desemprego. Responderam-me em Dezembro a dizer que deveria usufruir da licença alargada até ao fim e depois disso poderia pedir o subsidio de desemprego. Fiquei descansada. Recebi o valor correspondente à licença alargada em janeiro e fevereiro. Só que no final de fevereiro recebi uma carta da segurança social a informar que não tinha direito à licença alargada porque já não estava a trabalhar. Reclamei por carta registada e enviei cópia do e-mail que me tinham enviado a dizer que tinha direito à mesma. Recebi depois resposta a indicar que tinha de devolver o valor que me tinham pago em janeiro fevereiro e se não pagasse voluntariamente iam descontar-me do subsidio de desemprego. Voltei a reclamar porque eu só não pedi o subsidio de desemprego em janeiro porque me disseram que mesmo estando desempregada tinha direito à licença alargada. E agora respondem novamente apenas a dizer que não tinha direito à licença alargada por estar desempregada. Nem se dignam assumir o erro da informação errada que me deram. Eu apenas não pedi o subsidio de desemprego em janeiro porque me disseram que deveria usufruir da licença alargada até ao fim! Agora querem roubar-me os 391 euros que me pagaram nos dois meses que usufrui da referida licença. Se me tivessem dito que se fiquei desempregada não poderia usufruir da licença alargada eu teria solicitado o subsidio de desemprego e nada disto estaria a acontecer. Fui enganada e agora querem roubar-me escondendo-se atrás de um qualquer decreto lei. Quem se responsabiliza por isto? Se me preocupei a perguntar se tinha ou não direito à referida licença era porque não queria ter problemas depois. Acreditei na resposta que me deram e agora querem roubar-me...


27 Ago2020
A reclamação foi considerada "Sem Resolução" por falta de actividade
Esta reclamação foi considerada sem resolução

Comentários (0)