Centro Médico Dentário do Bolhão

Devicequation, Serviços de medicina dentária - SA

Centro Médico Dentário do Bolhão

Centro Médico Dentário do Bolhão

Seguir marca
Abril de 2019
Melhor Índice de
Satisfação
Atribuído pelos
consumidores

Categoria
Clínicas Dentárias

Telefone: 916787652

Morada
Rua Alexandre Braga, 124, 1º Andar
4000-049 Porto

E-mail
cmdbolhao@gmail.com

Website
http://www.cmdbolhao.com

Recomenda esta marca?

3
2

Partilhar esta página

Centro Médico Dentário do Bolhão
Centro Médico Dentário do Bolhão respondeu à reclamação de Andreia Santos
há 2 meses

Centro Médico Dentário do Bolhão - Reclamação

Relativamente à queixa apresentada temos a referir os seguintes pontos:

1. Efectivamente a paciente iniciou o seu tratamento ortodontico na nossa clínica na data por si indicada. Foi sujeita a um diagnóstico e consequente plano de tratamento. Plano esse que foi discutido e aceite pela paciente, tendo em conta as diversas opções de tratamento. Todas as dúvidas, quer clínicas quer em termos de honorários, foram esclarecidas.

2. Sobre este último tema, relembramos o envio para o seu e-mail, no dia 25/01/2016, e por si recepcionado, nas condições gerais para o início do tratamento. Nelas consta, entre outras informações relevantes, os valores de honorários praticados na nossa clínica.

3. Após o início do tratamento, a paciente decide, por sua vontade expressa, e tal como refere na sua reclamação, alterar o plano de tratamento relativamente a um espaço edêntulo. Embora não fosse a melhor opção, colocando em risco a estética mas não a saúde oral da paciente, portanto a nossa equipa médica anuiu à sua vontade, tendo feito o devido alerta que não seria de todo a situação ideal para aquele espaço.

4. De igual modo ao longo do percurso do tratamento, outras exigências e demandas foram feitas pela paciente e, embora a equipa médica a algumas as tenha sucumbido à sua vontade, outras houve que foram recusadas. A título de exemplo, usaremos a que fez referência na sua reclamação: o"alinhamento dos últimos molares". De facto, os dentes do siso não eram passíveis de serem corrigidos. Quer porque por norma eles não se incluem no âmbito de um tratamento ortodontico quer porque não existia possibilidade prática para tal. A indicação clínica era a extracção, tal como refere e bem na sua reclamação.

5. Os diversos contactos efectuados por parte da clínica para que efectuasse a marcação da data do término do tratamento e da remoção do seu aparelho, deviam-se ao facto de, à data , o tratamento estar clinicamente finalizado. Mesmo com todas as limitações do seu caso, suas exigências e demandas, à data, a equipa médica entendia estarem reunidas as condições clínicas para a sua finalização. Lamentamos se, à data, as suas expectativas não foram cumpridas na íntegra, mas relembramos que as exigências por si introduzidas no plano de tratamento culminaram na situação final (que à data estava clinicamente aceitável).

6. Situação essa que descompensou a partir do momento que esteve cerca de 4 meses sem qualquer tipo de controlo ou vigilância clínica em termos de tratamento ortodontico. Cabe-nos referir que por inúmeras vezes lhe foi dito que a ausência ou falta de controlo clínico pode levar a descompensação nos movimentos indesejado. Ainda que justifique a sua ausência com a extracção dos sisos e sua recuperação, certo é que não foi por indicação da nossa equipa médica esse período de ausência. Essa decisão foi tomada por sua livre e espontânea vontade sem qualquer tipo de aconselhamento médico.

7. Em relação ao tempo de duração do seu tratamento, somos obrigados a relembrar que, tal como referido anteriormente, um tratamento ortodontico em condicional normais tem uma duração média de 24 meses; e salvo excepções que nos sejam alheias podem existir tratamentos com uma duração obrigatoriamente maior ( casos de dificuldade de movimentação, ou grandes movimentações dentárias, ou por motivos biológicos, ou ainda por exigências do paciente e faltas às consultas de controlo, entre outros).

8. Relativamente às situações de urgência que refere, "arames a picar" e brackets que descolam, assumimos que efectivamente essas situações existem sempre. No entanto, a frequência com que acontecem dependem de vários factores. Os mais comuns devem-se à própria mastigação do paciente, à forma como a boca se articula num dado momento e sobretudo ao tipo de alimentos mastigados. Certos alimentos podem descolar arcos e descolar brackets. Situação que somos totalmente alheios como deve compreender. Salientamos que teve conhecimento prévio destas situações quer verbalmente quer por escrito no seu e-mail.

9. No que respeita aos honorários das placas de contenção, ficamos estupefactos com as declarações que constam na sua reclamação. De facto, não só as mesmas tem um valor adequado ao mercado, como teve conhecimento dos honorários das mesmas quer no dia da colocação, verbalmente e por escrito, quer próximo da data de finalização do seu tratamento. Relembramos que a política de honorários da clínica é muitíssimo adequada ao mercado e inclusive, no seu caso em particular, permissiva e facilitadora já que acedemos ao seu pedido no que diz a questões financeiras diz respeito, tendo ajustado os nossos honorários das consultas de controlo.

Assim, em nossa defesa e a título de resumo:
-Consideramos a sua reclamação infundada nos seus vários aspectos. Quer porque houve interferências e demais exigências pela sua parte que obviamente condicionaram o resultado final obtido; quer porque houve nitidamente uma lacuna temporal de 4 meses que descompensou o tratamento na sua recta final; quer porque todas as situações de urgência eram de conhecimento prévio, quer verbalmente quer por via escrita.
- Sentimo-nos traídos na nossa boa fé por esta reclamação, já que durante todo o tratamento a nossa postura foi de educação, conciliadora e de compreensão para com as suas propostas de alteração ao plano de tratamento inicial, procurando sempre fazer melhor clinicamente para a sua saúde oral. De igual modo, fomos solidários consigo por diversas vezes ao longo do tratamento, nomeadamente quando por questões financeiras pediu o nosso apoio solidário para pagamento dos honorários das consultas de controlo.
-Acreditamos que a confiança é a base da relação Médico-paciente. Quando esta confiança termina deve terminar esta relação, bem como terminar e/ou suspender todos os tratamentos em curso. Se, como diz na reclamação, não sentia confiança no tratamento deveria tê-lo referido imediatamente, e nessa mesma altura suspendia-se todo o tratamento e o seu processo clínico seria reencaminhado para um colega à sua escolha.
-Foi com base nesta confiança que anuímos aos seus pedidos, pois entendemos que estaríamos a fazer o melhor por si e pelo seu bem estar geral (físico, psicológico e social). E fizemo-lo sempre com garantia que não iria comprometer a sua saúde oral.
-O que não nos parece de boa-fé é vir reclamar de uma situação que diz respeito às suas opções que tomou e não plano inicialmente proposto.
-O que já nos parece de má-fé, é vir reclamar de honorários quando havia conhecimento prévio dos mesmos e de o fazer no final, após ter usufruído de apoio solidário para pagamento de consultas.
-Ao contrário do que gostaria fazer crer, reiteramos o profissionalismo, a competência, a dedicação e a entrega de todos os nossos profissionais clínicos. Os quais são instruídos para terem uma visão humanizada do paciente, centrada na saúde dos mesmos, sem que qualquer outro motivo lhes tolde a razão ou os procedimentos clínicos necessários.
-Lamentamos profundamente o seu desagrado e a falta de confiança na nossa equipa, mas estamos certos que esta sua reclamação nos fará tirar ilações e nos ajudará com o nosso comprometimento para prestar um melhor serviço sempre.

Disponíveis para qualquer esclarecimento ,

A Administração.



Carregar mais