Fidelidade

A marca recusa-se a responder aos consumidores no Portal da Queixa

Recomenda esta marca?

40
66

Partilhar esta página

Fidelidade - Reclamação à avaliação do departamento técnico da proteção jurídica

Aguarda resposta
41366920
155
0 gostos
Desiderio Torres apresentou a reclamação

Exmo. Senhor Diretor Geral da fidelidade,


Assunto: Reclamação à avaliação do departamento técnico da proteção jurídica no Processo 12/19/003077


Considero que foi efetuada uma errática e péssima análise do caso, não sei se tem as qualificações necessárias e apropriadas para interceder no caso, e, como tal, desejo que o processo seja novamente reconsiderado e avaliado por um jurista, que tenha as qualificações necessárias e apropriadas para avaliar a situação.
Declararam, não termos prova bastante para sustentar os factos alegados!
Essa conclusão não é aceitável, uma vez que temos todas as provas possíveis, graças ao trabalho feito por mim e pelo Senhor mediador que tem sido incansável, ao contrário da Senhora Isabel Santos do departamento técnico da proteção jurídica, que nada fez a não ser na minha opinião, avaliar muito mal todo o processo.
Factos:
• Houve acidente e foi chamada a GNR ao local;
• Danos visíveis no veículo incluindo pelo do javali;
• Descrição do javali que foi dada às autoridades GNR e ao mediador pelo telefone, “era um enorme javali”
• Sendo que o animal não morreu na hora, dada a sua grande dimensão, conseguiu afastar-se da estrada e, por ser de noite, a GNR não avistou o corpo.
• Poucas horas depois, já de dia, foi visto morto do mesmo lado da estrada a alguns metros do local do acidente, para onde tinha fugido, ficando convalido e ensanguentado.
• 3 testemunhas avistaram o animal morto à beira da estrada.
• Os Serviços Municipalizados encarregaram-se do corpo.

Provas:
• Chamadas para o mediador PSP e GNR
• Relatório da polícia (GNR)
• Danos evidenciados pelos polícias e fotografados no dia seguinte pelo Senhor mediador Joaquim Araújo
• Chamada para a GNR a informar a existência do javali morto na beira da estrada por testemunha poucas horas depois.
• Nenhuma sinalização a alertar para o perigo iminente de animais selvagens, mesmo após já terem ocorrido outros sinistros (ver declaração de testemunha incluindo a informação dos polícias presentes na ocorrência).
• Tenho 3 testemunhas que viram a GNR e os Serviços Municipalizados no local junto ao javali morto.
• Tenho ainda o pelo do javali que se encontrava agarrado na matrícula do veículo.
• 2 Testemunhas que se encontravam dentro do veículo



Comprovativos existentes:
• Fotos do local do acidente com ervas por cortar na berma da estrada impedindo a visibilidade
• Fotos do veículo danificado
• Foto da matrícula do veículo com pelo do javali
• Pelo do javali
• Registo dos respetivos números de telemóveis e chamadas para a Polícia
• Confirmação por escrito da entidade responsável pela zona de caça.



Não tenho qualquer tipo de dúvida, que qualquer bom advogado, considera a prova suficientemente boa que se justifique levar a tribunal.



Considero que para ter mais provas, só seria possível se o embate fosse filmado. Tudo o resto encaixa na perfeição, seria impossível a qualquer ser humano inventar um processo desta natureza com tantas coincidências, qualquer pessoa que não seja ingénua ou limitada vai tirar as mesmas elações.



Alerto para as consequências negativas que a seguradora fidelidade pode vir a ter com a desistência da minha carteira de cliente, familiares, amigos, conhecidos, incluindo publicidade negativa nas redes sociais que possam vir a surgir.



Sugiro que, para o bem de todos, analisem bem, de forma justa e com bom senso todo o processo enviado para a Câmara, associação de caçadores e Instituto de Conservação da Natureza e das florestas. Não tenho dúvidas que a culpa e responsabilidade é repartida pelo menos por 2 autoridades.
1- Câmara Municipal de Viana do Castelo, por:
• Ser responsável pela estrada N13
• Fotos do local do acidente com ervas por cortar na berma da estrada impedindo a visibilidade
• Nenhuma sinalização a alertar para o perigo iminente de animais selvagens, mesmo após já terem ocorrido outros sinistros (ver declaração de testemunha incluindo a informação dos polícias presentes na ocorrência).
• Por falhas de procedimento da GNR, sabendo que tinha existido poucas horas antes um acidente, deveriam a meu ver assegurar provas e entrar em contato com os envolvidos no acidente
• Por falhas de procedimento dos serviços Municipalizados, não tentar saber se tinha existido poucas horas antes um acidente, deveriam a meu ver perguntar para assegurar provas e entrar em contato com os envolvidos no acidente

2 - Associação de caçadores, por:
• Confirmação por escrito da entidade responsável pela zona de caça.
• Até que prove o contrário, pouco ou nada fez para sinalização e alertar para o perigo iminente de animais selvagens, mesmo após já terem ocorrido outros sinistros (ver declaração de testemunha incluindo a informação dos polícias presentes na ocorrência).





Atenciosamente,

Desidério Peixoto Torres
Desiderio Torres está a aguardar resposta da marca

Comentários (0)