RNA – Rede Nacional de Assistência

RNA – Rede Nacional de Assistência

RNA – Rede Nacional de Assistência

(89.9%)
Novembro de 2019
Melhor Índice de
Satisfação
Atribuído pelos
consumidores

Categoria
Seguradoras de Assistência

Sobre

A RNA é uma empresa de raíz nacional, com sede em Lisboa e filial em Barcelona, vocacionada para a prestação de serviços de assistência a pessoas e bens nas suas mais variadas vertentes. Inovação, Qualidade e Eficiência são apenas alguns dos pilares que sustentam e motivam diariamente as nossas Equipas. Apoiada num vasto conjunto de meios onde se incluem redes convencionadas, nacionais e internacionais, aliado a um moderno e dinâmico sistema de informação e comunicação, tornam a RNA uma referência no mercado, disponível 24h/dia, 7 dias por semana, todos os dias do ano em Portugal, Espanha ou qualquer parte do mundo.
A RNA oferece soluções orientadas e personalizadas ao mercado segurador e corporate tendo em vista o desenvolvimento de soluções que permitam reforçar e potenciar a imagem do nosso cliente conotando-o com inovação, qualidade, diferenciação e sobretudo demonstrando uma grande preocupação com o seu cliente.
Seja qual for o imprevisto, o nosso objetivo é ajudar aqueles que de nós mais precisam!


Telefone: 210443600

Morada
Av. Eng. Duarte Pacheco
Edf Amoreiras - Torre 1 - 12º Piso - Sala 1
1070-101 Lisboa

E-mail
geral@rna.com.pt

Website
http://www.rna.com.pt

Recomenda esta marca?

1
6

Partilhar esta página

RNA – Rede Nacional de Assistência - Recusa em indemnizar viagem

Resolvida
32782319
205
0 gostos
Ricardo Santos apresentou a reclamação

Exmos. Srs.,
Em dezembro de 2018 adquirimos bilhetes de avião para 2 pessoas com destino à Tailândia, a realizar em junho de 2019 através da agência Abreu. Comprámos em conjunto com os bilhetes, o seguro de cancelamento de viagem da seguradora RNA (pagámos 2 seguros, um por pessoa), pois pela leitura da apólice deu a sensação que seria bastante completa e ficaríamos protegidos em caso de algum evento indesejado.
Em março de 2019, fruto de diversos acontecimentos fortuitos e inesperados, decidimos cancelar a viagem junto da agência Abreu e accionar o referido seguro da RNA para o montante que não foi possível de recuperar pela agência.
Desde essa data até outubro de 2019 que, não obstante os diversos motivos e documentos de suporte apresentados à seguradora RNA, a mesma recusa-se a indemnizar-nos deste evento.
De entre os motivos apresentados, destacamos:
- Gravidez não planeada, na qual após consultas aos médicos fomos recomendados a não realizar a viagem, não só pelos riscos de saúde associados, como pelas condições de saúde e higiene no local de destino. Todos estes motivos foram rejeitados pela seguradora RNA. De notar que apresentamos pareceres escritos de 2 médicos diferentes (e de unidades de saúde diferentes) a não recomendar a viagem pelos motivos acima elencados, como ainda apresentámos baixa por gravidez de risco emitida por um terceiro médico, também não aceite pela seguradora RNA como motivo para cancelar a viagem;
- A chamada a novo emprego, que pela nossa leitura da apólice era um motivo coberto e que a seguradora RNA recusou;
- A mudança de instalações da empresa para outro concelho, que pela leitura da apólice era motivo coberto, ao qual a seguradora RNA recusou, por alegada insuficiência de informação prestada e solicitando informação que não é facilmente obtida, não obstante ter-se colocado à disposição da seguradora ir visitar as antigas e novas instalações e concluir em qual delas é que a empresa se encontra instalada;
- O facto da empresa não ter concedido férias no período da viagem, que também era um motivo coberto pela apólice, mas que mais uma vez a seguradora RNA recusou;
Ora, perante este vasto leque de motivos, consideramos que fomos "enganados" na contratação da apólice, pois a leitura da mesma dá a entender uma abrangência muito grande da apólice e cobertura de diversas situações que permitem o reembolso da viagem, que na prática não resultam, pois existem entrelinhas que o consumidor médio não percebe ou não estão claras aquando o momento da contratação.
Como consequência, vemo-nos no prejuízo de €532,40 ao qual acresce as horas perdidas na obtenção de informação e troca de comunicações com a seguradora. Estamos dispostos a dar este assunto por encerrado mediante a liquidação dos €532,40 que perdemos na viagem.
Solicito ainda que as apólices de cancelamento de seguro de viagem sejam devidamente documentadas, nomeadamente nas coberturas e nas condicionantes para o seu accionamento, alertando de forma clara os consumidores antes da sua aquisição.
Cumprimentos,
Ana Oliveira

Esta reclamação tem um anexo privado
07 Nov2019
RNA – Rede Nacional de Assistência adicionou uma resposta

Estimada Cliente,

Acusamos a receção da exposição apresentada, a qual mereceu nossa melhor atenção.

Conforme já amplamente transmitido, o cancelamento antecipado da viagem terá tido origem no facto de a data estimada para o termo da gravidez da Segurada ser próxima da data da viagem.

Acresce que, de acordo com a Segurada, o local de destino seria suscetível de originar infeção, sendo este mais um motivo justificativo do cancelamento. Todavia, tal facto, ainda que viesse a ser objeto de demonstração, a verdade é que não encontra, igualmente, enquadramento na apólice subscrita. E, ainda que assim fosse, sempre tal clausulado contém exclusão relativa a pandemias.

De facto, com base na apólice contratada, a cobertura supra opera face ao diagnóstico de uma patologia que causa uma complicação de gravidez ou perante uma gravidez de risco, desde que tais factos sejam imprevisíveis e nos primeiros seis meses.

No entanto, conforme resulta da participação de sinistro, trata-se de uma gravidez normal, sem qualquer patologia/complicação associada, motivo pelo qual a situação descrita não tem enquadramento na apólice contratada.

Após tomada de posição, a Estimada Cliente invocou alteração de contrato de trabalho, receção de nota de liquidação de imposto em sede de IRS de valor superior a € 2.000,00 e relocalização da empresa em que a Pessoa Segura trabalha.

Relativamente ao primeiro motivo invocado, o contrato foi celebrado em 02/02/2019, sendo a viagem no dia 20/06/2019. Uma vez que a apólice é válida para os casos de cancelamento de viagem por factos ocorridos 45 dias antes da data da partida, esta situação não tem enquadramento na apólice.

Quanto à nota de liquidação e a relocalização da empresa da Pessoa Segura, e apesar de ter sido solicitada, em 29.08.2019, suporte documental de tais factos, nada nos foi remetido, tendo o processo sido encerrado.

Em qualquer caso, permanecemos disponíveis para analisar qualquer documento adicional que nos venha a ser apresentado.

Com os melhores cumprimentos,

Departamento Jurídico



Em relação às duas últimas colocações, ainda estamos a aguardar documentos por forma a instruir o nosso processo.



Estamos à disposição para maiores esclarecimentos.

07 Nov2019
RNA – Rede Nacional de Assistência alterou o estado para Resolvida
12 Nov2019
Ricardo Santos adicionou uma resposta

Exmos. Srs., boa tarde,

Na sequência da vossa resposta, contesto o conteúdo da mesma, no sentido em que é por vós referido que a gravidez foi normal e sem complicações, o que não corresponde à realidade, ao ignorar o facto de termos apresentado 2 pareceres de médicos distintos e pertences a unidades clínicas diferentes, a recomendar a não realização da viagem, bem como o facto da segurada ter estado de baixa por motivo de gravidez de risco.

Adicionalmente, a reclamação pretende também alertar para a publicidade enganosa na venda do seguro, que dá uma falsa sensação de segurança em caso de sinistro, mas que, conforme evidente na vossa resposta, existem posteriormente diversos pormenores que impedem a sua execução.

Neste sentido, considero que este tema não se encontra resolvido, e irei tomar as diligências subsequentes necessárias até que seja sanado o prejuízo associado a este processo.

Cumprimentos.

12 Nov2019
Ricardo Santos reabriu a reclamação
13 Nov2019
RNA – Rede Nacional de Assistência adicionou uma resposta

Estimados Clientes,

No seguimento da vossa comunicação supra, informamos que toda a documentação carreada ao processo 6068115 foi analisada para efeitos de enquadramento do sinistro na apólice contratada.

Lamentavelmente, concluímos que a documentação remetida não permite enquadrar o sinistro para efeitos de reembolso, uma vez que não é feita prova de ter havido uma complicação na gravidez nem uma gravidez de risco, tal como exigível pela apólice.

Uma vez que não foram enviados novos elementos que permitam alterar a tomada de posição já transmitida, não será possível aceder à vossa pretensão.

Ficamos ao dispor para qualquer esclarecimento adicional que possa ser necessário.

Sem outro assunto de momento, apresentamos os nossos melhores cumprimentos.

Atentamente,

Departamento Jurídico

13 Nov2019
RNA – Rede Nacional de Assistência alterou o estado para Resolvida
23 Nov2019
Ricardo Santos adicionou uma resposta

Exmos. Srs.,

Na sequência da vossa última conversação, irei remeter por email comprovativo de gravidez de risco da passageira e comprovativo de IBAN de forma a que se possa finalmente encerrar este assunto.

Cumprimentos.

23 Nov2019
Ricardo Santos reabriu a reclamação
09 Dez2019
RNA – Rede Nacional de Assistência adicionou uma resposta

Exmo. Sr.

Aguardamos o envio dos elementos referidos por forma a procedermos à eventual reanálise do processo.

Sem outro assunto de momento, apresentamos os nossos melhores cumprimentos.

Departamento Jurídico - RNA

09 Dez2019
RNA – Rede Nacional de Assistência alterou o estado para Resolvida
Esta reclamação foi considerada como resolvida pela marca, e pode ser reaberta pelo utilizador

Comentários (0)