Mercado Automóvel

JOP Porto - Venderam-me um carro acidentado


Aguarda resposta
1116514

Caros,

Em Janeiro de 2010 adquiri uma viatura usada na Jop Porto. Na altura vendedor informou-me que a viatura em questão estava em excelente estado e que era de um director do stand, e que o mesmo ia ter direito a um carro novo, com tal, a viatura ia ficar disponível para venda. Até aqui tudo bem...

No dia 28-05-2014 fui levar o carro para fazer a IPO. Para meu espanto, a viatura tinha uma APREENSÃO DE DOCUMENTOS POR ACIDENTE datada de 2009... fui ao IMTT pedir esclarecimentos e fui informado que a viatura teve um acidente.

Ou seja, a viatura em 2009 teve um acidente onde envolveu a PSP e para poder circular na estrada a viatura devia ter sido sujeita a uma inspecção do tipo B.

Os proprietários na altura (MCK Motors) não fizeram a dita inspecção, e venderam a viatura à JOP que também não efectuou a inspecção.
Para piorar a situação vim a saber que a viatura afinal não era de um director, mas sim, que esteve na HERTZ durante aproximadamente 1 ano, e que foi nessa altura que ocorreu o acidente.

Acho inconcebível que uma marca de renome internacional como a Kia Motors permita que este tipo de situações aconteça. E acho muito mau enganarem assim os clientes...

No dia 29-05-2014 dirigi-me à JOP (onde comprei o carro), e prontamente me disseram - " não vamos ser nós a fazer a inspecção, pois a viatura nessa altura ainda não era nossa".

No mesmo dia alertei para o facto de que ia estar de férias a partir do dia 02/06/2014 e que precisaria da viatura para o efeito.

Na minha opinião, o mínimo que deviam ter feito IMEDIATAMENTE, e até para atenuar um pouco o que estava a acontecer, era assumirem o caso a partir dali e disponibilizarem uma viatura ao cliente para circular (lembro que andei na estrada com a viatura naquele estado, correndo o risco de ser mandado parar pelas autoridades). Uma vez que a responsabilidade não era minha, primeiramente resolvia-se o assunto com o cliente e depois tentava-se apurar responsabilidades ( Jop, Kia motors, Hertz, IMTT,etc.)

Foram alertados para o facto de que ia estar de férias a partir do dia 02/06/2014 e que precisaria da viatura para o efeito.

Ninguém da Kia Motors ou da JOP se interessou por saber:

- se tinha outra viatura para puder circular;

- se tinha disponibilidade para tratar da situação;

- o que era preciso para realizar a Inspecção B; Nenhum dos responsáveis sabia o que era preciso para realizar a inspecção B e ninguém se interessou por saber.

- se tinha disponibilidade financeira para o fazer ( inspecção e levantamento da apreensão ficou +/- em 120€).

Resumindo, andei a tratar eu de tudo, tive que pedir dispensa do trabalho mais cedo, perdi um dia/noite de férias (acabei por só ir de férias no dia 03/06).

A única coisa que fizeram foi assumir os custos da inspecção e mesmo assim só pagaram quase 3 meses depois e após vários emails a pedir o mesmo.

Comentários


Ricardo Fernando Ramos da Silva

realmente é complicado, posso dizer que também fui burlado (tenho uma reclamação aqui também) uma pessoa dirige-se a uma empresa representante das marcas a pensar que se melhor servido, e levamos com carros acidentados por semi- novos. O problema é que a justiça portuguesa não faz nada. e fazer justiça pelas próprias mãos não vale a pena a nossa liberdade vale mais que um carro e infelizmente temos que viver assim. O que me deixa um bocado melhor é saber que não empresa aonde comprei (autojatao) esta pelo que tenho visto ta para fechar, assim já não enganam mais pessoas.



FartoDisto

Srº Ricardo, o facto de uma fechar não impede que não abram outra logo a seguir.
A situação mais ridícula deste género foi ver uma empresa que se deu como falida, reabrir com os mesmos funcionários, patrões e instalações mudando apenas o nome. Welcome to Portugal!



Maria Rosiinnha

A JOP realmente esta a passar dos limites em irresponsabilidade... No meu caso também reclamei porque reservei dia e viatura de substituição com 3 semanas antecedência, e no dia chego la e nem viatura tinha e ainda por cima carimbaram e assinaram a garantia em como a manutenção foi feita e tive que ir embora sem a fazer..... E resposta ou explicação não ha.... nem se dignam em contactar o cliente.... A única coisa que houve foi um engenheiro armado em arrogante que na minha frente recusou ao recepcionista entregar-me um carro de substituição porque o sr. Dr estava a usa-lo na hora do expediente e devia ir precisar fazer a manicura portanto não me pode dar viatura de substituição.....E estamos assim com estes profissionais.



Dinarte Nuno Teixeira Viveiros

Essa situação tinha resolução muito fácil para mim. Contactadas o Centro de Arbitragem Automóvel, queixa por escrito nesta entidade e avançavas para a resolução contratual com a anulação do contrato de compra e venda, a devolução do carro ao stand e receberem de volta a totalidade do dinheiro pago. Ias vê-los mexerem-se que era uma maravilha. Ainda bem que a situação não era grave (danos pos-acidente) mas ainda assim não teria aceite ficar com o carro.



Dinarte Nuno Teixeira Viveiros

Nota: achei piada a terem dito "não vamos pagar a inspeção pois a viatura não era nossa na altura". O VENDEDOR é SEMPRE mas SEMPRE responsável por tudo o que se passa com a viatura no momento da venda. Se depois quiser ou tiver forma de ir pedir satisfações ou reembolsos a proprietários anteriores pode fazê-lo mas perante o comprador é sempre responsável. Lei da garantia é bem clara. Nem tem por onde fugir, acho muito estranho essa resposta/atitude.



Dinarte Nuno Teixeira Viveiros

Correção: após queixa no centro (por escrito com custo 10 euros) maioria das situações é resolvida por acordo entre as partes (30 a 60 dias). Quando é necessário avançar para tribunal (por falta de acordo) demora em média apenas 120 dias desde a queixa.




Comentar

Apenas utilizadores registados podem fazer comentários.

Inicie sessão e regresse novamente a esta página para comentar.