Serviços de Saúde

ULS Nordeste H. Bragança - Negligência Médica


Aguarda resposta
11262817

No dia 15 de Julho de 2017, cerca das 22h50, desloquei-me com a minha filha Jéssica Fernandes ( nº utente acima referido), à urgência da ULS Nordeste H. Bragança - URG., uma vez que estava queixosa de uma dor de ouvidos.
Após a triagem, foi-lhe dada pulseira amarela, sendo atendida após cerca de 55 minutos pela Dr.ª, que após a observar lhe diagnosticou uma amigdalite.
Posto isto, a mesma perguntou o peso da minha filha, ao qual respondi 11kg, tendo a mesma ausentando-se para prescrever a receita médica.
Passados uns minutos a Sr.ª Dr.ª reapareceu com a prescrição da receita, informando-me que se tratava de um antibiótico (clamoxyl 500mg) e que lhe devia administrar 5,7ml de 8h/8h.
Após me dirigir à farmácia, regressei a casa e administrei a primeira dose de antibiótico à minha filha e depois de 8h em 8h como me tinha sido informado pela Sr.ª Dr.ª.
No dia a seguir reparei que a minha filha estava com diarreia muito líquida e que se queixava da cabeça, mas pensava que poderia ser da amigdalite.
Já no mesmo dia há noite, reparamos que ela andava também com tonturas, pois não andava direita e caia facilmente, tendo o meu marido desconfiado que algo se passava e foi verificar o frasco prescrito (clamoxyl 500mg).
Desconfiado que o antibiótico tinha sido mal prescrito, uma vez que lhe parecia que clamoxyl 500mg não era adequado para uma criança com menos de 3 anos, ligou para a saúde 24h para obter informações, ao que a enfermeira que atendeu, disse logo ao meu marido que suspendesse o antibiótico e consulta-se um médico para rectificar a dosagem e frasco de antibiótico prescrito uma vez que tinha sido prescrito uma dosagem em mais do dobro à minha menina.
De imediato o meu marido se deslocou a urgência novamente a contar o sucedido, onde foi atendido pelo Dr.º, que modificou a prescrição para a minha filha e informou que se continuasse com sintomas de tonturas ou diarreia, nos deslocássemos novamente a Urgência.
Penso que a um erro grosseiro de negligência médica, uma vez que foi receitado o medicamento errado/sobredosagem a uma criança que se o tomasse durante os sete dias como foi prescrito, provocaria danos no sistema imunitário de uma criança, impossível de quantificar.

 

Comentários



Comentar

Apenas utilizadores registados podem fazer comentários.

Inicie sessão e regresse novamente a esta página para comentar.

Serviço Nacional de Saúde

Administração Pública

5.4