Mercado Imobiliário

Banco CTT - Crédito habitação


Resolvida
21939418

A palavra certa para iniciar esta reclamação é sem dúvida: Incompetência. Dirigi-me a uma das vossas lojas no dia 13/08 para fazer o pedido do crédito habitação, pedi 100000€ para um imóvel que me custará 128000€. Foram-nos realizadas algumas questões, bem como, o pedido dos nossos documentos que seriam imprescindíveis para dar início a todo o processo. De salientar que temos um Crédito Automóvel, o que nos foi questionado se era possível liquidarmos o valor total do crédito e dissemos que não, mas que num prazo de um ano, talvez o conseguíssemos fazer. Enviei os respectivos documentos dia 16/08. Após os documentos enviados foi-nos sempre dito que num período de 24h/48h teríamos uma resposta, mas havia sempre algum problema, ora porque os documentos estavam elegíveis (apesar de ter enviado os mesmo para outras entidades e nenhum problema tinha sido posto em causa), ora porque se lembravam de pedir um documento extra… tudo isto às “pinguinhas” e com dias de intervalo pelo meio, o que só viria a atrasar o processo. Sai a primeira resposta no dia 28/08 ao fim da tarde e com todo este desenrolar só poderia ser negativa: foi-nos recusado o crédito. Teríamos então 3 hipóteses: 1. Liquidar o Crédito Automóvel (que dissemos logo no 1º dia que isso não estaria em hipótese); 2. Abater uma parte do Crédito (se o fizéssemos queríamos abater aos anos e não ao valor, que nos foi explicado que então não daria porque o encargo mensal seria o mesmo); 3. Ter fiadores; Respondi de imediato que iria então pedir fiadores e perguntei quais os documentos necessários para tentar apressar isto ao máximo, uma vez que temos prazos a cumprir. Foi-me dito que eram exactamente os mesmos que enviamos para nós. Pois assim o fiz, dia 29/08 da parte da manhã foi enviado tudo o que era necessário. Nesse mesmo dia ligaram-me, da parte de tarde, mais uma vez a reclamar de um documento elegível e para passar na loja para o entregar. Fui à mesma no dia 30/08 da parte da manhã. Dia 3/09 recebo a segunda resposta: crédito recusado. Não estava de facto à espera desta resposta, os nossos fiadores foram os meus pais: o meu pai reformado da GNR, a minha mãe funcionária da Santa Casa da Misericórdia do Porto há 20 anos; ambos sem nenhum crédito e com as contas todas pagas. Referiu ainda no mesmo telefonema que para dar novo prosseguimento ao processo teríamos 2 hipóteses: 1. Liquidação de Crédito Automóvel (que voltei a reforçar que isso não seria possível); 2. Reduzir o Valor do empréstimo para 90000€ (se estamos a pedir 100000 é porque não podemos pedir 90000); Enviava isto e que ainda faltava uma declaração da entidade patronal da clínica que o meu namorado trabalha na parte da manhã. Pois, ora bem, os nossos documentos foram sem dúvida muito bem analisados e só depois de eu ter enviado os dos fiadores e de os terem analisado, deram falta de um dos nossos documentos. Disse convincentemente que não e que iria dar término a este pedido e que era para cancelar tudo, frisando a incompetência dos trabalhadores. Dia 4/09 contactam o meu namorado, outro funcionário dos serviços bancários, que pelo percebemos não trabalha em “loja” e é um superior à colega com quem tratamos de tudo até ao momento. Foi questionado, mais uma vez, se não era mesmo possível liquidar o crédito automóvel, o que foi dito, apenas e mais uma vez, que não; então iria ser pedido mais um documento: Plano de Pagamento do mesmo crédito. Foi falado, entre linhas, que o meu namorado tinha uma conta poupança e que eu também. Vamos lá então: comprovativo do valor de cada uma das contas poupanças. Enviei tudo dia 6/09. Alertei para o facto de estarmos a ficar com os timings apertados e que tínhamos uma escritura para fazer até ao dia 30/09. Dia 7/09 sou novamente contactada que os nossos fiadores têm de assinar uma Autorização para Consulta da Central de Responsabilidades de Crédito. Eficiência sempre a 100%. Enviei isso no próprio dia, à noite. Azar dos azares, era Sexta-feira. Segunda-feira, dia 10/09, nada foi dito. Terça-feira, dia 11/09 contactei eu a funcionária da “loja”, o que me foi dito que o colega esteve em formação e que o processo atrasou. Sai um funcionário fora, não há ninguém que o substitua. Mais um dia em que não tinham uma resposta. Pediram para aguardar mais um dia. Paciência quase a esgotar, mas assim foi… Quarta-feira, dia 12/09, contacta-me a colaboradora que sempre acompanhou o caso a informar que a declaração da entidade patronal que lhe tinha enviado do meu namorado, referia que pertencia aos quadros, mas que não estava efectivo. Mas que mesmo assim iria recorrer, uma vez que sabia que a clínica que ele trabalha da parte da manhã pertence ao mesmo grupo a que ele trabalha da parte de tarde. Aqui já um pouco exaltada, disse que sempre que me ligavam era para inventar um documento novo ou para me dar uma resposta negativa e que o processo estava a ser lentíssimo e muito pouco eficiente. Pediu-me mais um dia e que talvez me conseguisse dar uma resposta no dia seguinte da parte da manhã. Mas qual não é o meu espanto quando vejo que a declaração que essa Senhora tinha dado como incompleta, era exactamente igual às que já lhe tinha enviado, tanto da minha parte como do meu namorado. O que posso concluir deste trabalho? Incompetente! Quinta-feira, dia 12/09, super nervosa e a ver os dias a passarem e nós sem nada resolvido e a sermos completamente enrolados por esta entidade de nível muito fraco, ninguém nos dá uma satisfação na parte da manhã. A meio da tarde tomo iniciativa de ligar inicialmente para a Senhora da “loja”, que não atendeu; de seguida ao tal funcionário que não se encontra em “loja” do meu número, porque sei que do meu namorado já não atendia, tal como já o tinha feito, e depois de me apresentar questionou-me se já tinha ligado para a loja. Referi que sim, mas que a colega não me tinha atendido, o qual disse que lhe ia pedir para a mesma entrar em contacto comigo. Mais de meia hora passada, volto a ligar para a Senhora, recusa-me a chamada. Devolve-me a chamada passada outra meia hora e qual seria a resposta: Negativa. Argumentos? Liquidar o crédito ou reduzir o valor para 90000€. Apenas lhe respondi: “Não estou interessada. Boa tarde.” Quanto tempo depois? 1 mês certo! Têm todo o direito a recusar o crédito, sem dúvida, apesar de mais nenhum banco o ter feito. Porquê ter deixado esta entidade enrolar-nos? Porque de facto oferecem condições que mais nenhuma oferece. Para quê? Para perder tempo. Tal como já me tinham dito, os CTT são bons para entregar cartas. Quero com isto apenas deixar de relevante a publicidade enganosa que a instituição bancária faz, e como faz desenvolver os processos. A compra da sua nova casa não tem motivos para ais nem uis. Crédito Rápido e Fácil. Deixem de enganar o povinho ou melhorem a qualidade dos vossos profissionais. Não é por acaso que com apenas dois anos de funcionamento, o banco CTT já lidera o ranking de queixas ao Banco de Portugal. Passarei com toda a certeza a palavra que convosco não vale a pena perder tempo! Sem prazer nenhum.

Respostas

Banco CTT em 2018-09-14 19:29 Exma. Senhora Tânia Fonseca,

Agradecemos a sua comunicação a qual mereceu a nossa melhor atenção, a mesma encontra-se em análise e foi registada com referência #21939418. Esclarecemos adicionalmente que por motivos de confidencialidade ser-lhe-á dada resposta de forma privada.

Para qualquer esclarecimento adicional, estamos totalmente disponíveis em reclamacoes@bancoctt.pt.

Certos da Sua compreensão, apresentamos os nossos melhores cumprimentos,
Débora Lopes
Banco CTT
Banco CTT em 2018-09-18 15:10 Exma. Senhora Tânia Fonseca,

Informamos que procedemos ao envio de um e-mail, no dia de hoje, relativo à situação exposta.

Para qualquer esclarecimento adicional, estamos totalmente disponíveis em reclamacoes@bancoctt.pt.

Certos da Sua compreensão, apresentamos os nossos melhores cumprimentos,
Carla Martins
Banco CTT

Comentários



Comentar

Apenas utilizadores registados podem fazer comentários.

Inicie sessão e regresse novamente a esta página para comentar.